Esportes Futebol

Corintiano “corneteiro” seca São Paulo no Uruguai

A torcida do São Paulo compareceu até que em bom número, os torcedores do Danúbio, na tradicional raça uruguaia, cantaram bastante ao longo do confronto em Montevidéu , mas talvez ninguém tenha incomodado tanto na decisiva partida da Libertadores quanto um corintiano-corneteiro infiltrado.

Aproveitando que o Estádio Luis Franzini, pertencente ao Defensor Sporting, é bastante acanhado, daqueles em que a cusparada da arquibancada é capaz de atingir o jogador na lateral de campo, o paulista Leando Leocádio, 30 anos, não poupou os grandes ídolos da equipe tricolor.

“Hoje eu vim aqui só para cornetar o São Paulo mesmo”, confessou este corintiano de Piracicaba, interior de São Paulo, e morador da capital uruguaia há quatro meses. “Ceni, seu frangueiro”, gritava. “O Pato, seu m…, tem que jogar nesse time mesmo seu filho da…”, emendava para, logo em seguida, chamar Luís Fabiano de “pipoqueiro”.

“Isso aqui não existe mais no Brasil, né. Olha como estamos perto do campo”, aponta para os fios de arame farpado que separam o campo do torcedores – no meio, os câmeras e fotógrafos da imprensa. “Ganso, vai ter que depender da gente, meu amigo, vai depender do Corinthians”, cantava, sem parar.

“Eu vim aqui contra o Corinthians , o Tite estava bem aqui do nosso lado”, contou ainda sobre a partida da terceira rodada em que o clube bateu os uruguaios por 2 a 1, no mesmo estádio. “Comprei ingresso para a torcida do Danúbio mesmo, aqui não tem problema, você pode torcer pelo seu time aqui mesmo”, disse.

“Adoro morar aqui no Uruguai. Os ingressos para a torcida brasileira são mais caros (cerca de R$ 85, contra R$ 20 para os uruguaios), então eu fico aqui mesmo”, finalizou, antes de se concentrar de novo na partida para cornetar a equipe rival até o apito final.

O “intruso” era feliz até o fim do jogo. O Danubio chegou a sair na frente, mas o São Paulo buscou o resultado: o gol de Ricky Centurión, que sacramentou a vitória são-paulina, saiu aos 45min do segundo tempo, para desespero do corintiano.


Talvez você também goste