23°C 19°C

São Paulo, SP

19°C 15°C

Curitiba, PR

24°C 19°C

Belo Horizonte, MG

28°C 21°C

Rio de Janeiro, RJ

26°C 20°C

Porto Alegre, RS

34°C 25°C

Salvador, BA

Quarta-feira, 16 de Janeiro de 2019 - 10h00

Morre a cantora Edyr de Castro, uma das Frenéticas

Agência Brasil

Foto: Reprodução/Divulgação

 

A atriz e cantora Edyr de Castro, de 72 anos, que integrou o grupo As Frenéticas, morreu na terça-feira (15), de falência múltipla dos órgãos. A artista, que estava internada no Hospital Municipal Lourenço Jorge, na Barra da Tijuca, por causa de uma pneumonia, sofria do mal de Alzheimer há oito anos.

 

Nas redes sociais, a filha Joy publicou uma mensagem informando que a mãe tinha feito a passagem nesta terça-feira e que o velório foi marcado para esta quarta-feira (16), às 10 h, na capela 2 do Memorial do Carmo, no Caju, região portuária da cidade. O corpo de Edyr será cremado às 13h.



No fim da mensagem, a filha assinou: “Com Amor, Joy”. Além da filha, que teve com o cantor Zé Rodrix, Edyr deixou uma neta.

 

Frenéticas

Edyr fez parte do  sexteto As Frenéticas, formado ainda por Leiloca, Lidoka, Sandra Pêra, Regina Chaves e Dhu Moraes, que  fez muito sucesso nas décadas de 70 e 80, época em que as discotecas estavam no auge. Entre os maiores sucessos do grupo destacam-se Dancin’ Days, Caia na Gandaia e Perigosa. De 1985 a 2009, Edyr fez também participações em novelas de TV, entre as quais, Tenda dos Milagres, Roque Santeiro, Cabocla e Sete Pecados e em séries como Anos Rebeldes e Chiquinha Gonzaga.

 

Desde 2011, Edyr morava no Retiro dos Artistas, em Jacarepaguá. O presidente da instituição, o ator Stephan Nercessian, trabalhou com Edyr, quando dirigiu o programa de TV do ator Chico Anísio. “Ea era uma das Mucamas de Painho [personagem de pai de santo representado por Chico]”, lembrou Nercessian em entrevista à Agência Brasil.

 

Ele destacou o bom humor de Edyr no Retiro dos Artistas: "Encarava tudo muita alegria. Era sempre uma presença muito positiva, sem queixumes”.

 

O ator informou que Edyr fazia no Retiro algumas terapias em complemento ao tratamento de Alzheimer. Só precisou ser levada para o hospital para tratar da pneumonia. “Ela deixa muita saudade. Os funcionários e o pessoal da administração tinham ela como uma presença muito positiva”, completou.

 

Fonte: Agência Brasil



publicidade:

publicidade:

publicidade: