20°C 15°C

São Paulo, SP

17°C 11°C

Curitiba, PR

32°C 21°C

Belo Horizonte, MG

24°C 18°C

Rio de Janeiro, RJ

21°C 11°C

Porto Alegre, RS

29°C 23°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 01 de Setembro de 2016 - 16h57

10 mitos e verdades sobre cirurgia plástica

Redação Mundo Positivo


1. Prótese de silicone deve ser trocada a cada 10 anos?
Mito: As primeiras próteses de mama, que começaram a ser usadas na década de 80, eram de superfície lisa e com silicone líquido. Isso levava a um grau maior de complicações e distorções da prótese. Foi quando nasceu o conceito de que as próteses deveriam ser trocadas após um período determinado. Felizmente, os modelos e tipos de prótese evoluíram e não há mais número específico a respeito de quando você deverá trocar sua prótese.


2. O implante mamário impede o diagnóstico de câncer de mama?
Mito: Independente da posição da prótese (atrás ou na frente do músculo), o nódulo cancerígeno começa a se desenvolver na glândula mamária que independentemente está posicionada na frente do implante. Sendo assim, os exames serão capazes de identificá-lo, mesmo com a presença da prótese, não afetando em nada no diagnóstico.


3. Não é recomendável realizar uma lipoaspiração estando acima do peso?
Verdade: Como o intuito da lipoaspiração não é emagrecer, mas melhorar o contorno corporal, estar no peso ideal antes de realizar a cirurgia é aconselhável. Caso a paciente opte por operar, mesmo estando acima do peso, a mesma deve estar ciente de que o procedimento cirúrgico poderá não atingir o resultado esperado.


4. Abdominoplastia é capaz de amenizar as estrias?
Verdade: Apesar de não ser o foco da abdominoplastia, amenizar esses incômodos sinais acaba sendo uma consequência do procedimento, uma vez que toda região flácida (abaixo do umbigo) marcada também pelas estrias será eliminada.


5. Fazer musculação é suficiente para eliminar a flacidez do abdome?
Mito: A prática de exercícios físicos é capaz de eliminar a gordura corporal de uma pessoa, porém quem está acima do peso e passa por um processo de emagrecimento terá como consequência, justamente um excesso de pele. Ou seja, mesmo “magra”, ela terá flacidez, somente possível de ser eliminada através da abdominoplastia.


6. Depois da lipo, a área aspirada não volta a ter o mesmo volume
Mito: Se o paciente ganhar peso, vai engordar em outras regiões do corpo e o volume das áreas aspiradas também poderá aumentar, isto porque nas áreas em que foram feitas as cirurgias de lipoaspiração, nem todas as células de gordura são retiradas, permanecendo uma pequena quantidade de adipócitos no local. Essas células de gordura remanescentes podem aumentar de tamanho com o aumento do peso, mas como estão em menor quantidade, o aspecto de engordar na região poderá ser mais discreto. Portanto, é importante entender que a lipoaspiração não emagrece para sempre ou substitui a dupla "alimentação saudável exercícios físicos", que devem continuar após a cirurgia.


7. Próteses de silicone não impedem a amamentação
Verdade: As próteses de mama ficam alojadas atrás da glândula mamária e não interferem na amamentação.


8. É necessário aguardar seis meses para ver o resultado final da cirurgia plástica
Verdade: O inchaço costuma regredir em até seis meses, quando se permite ver os novos contornos e formatos da região. A cicatriz avermelhada pode levar mais de um ano para clarear, indicando a conclusão do processo de cicatrização.


9. Qualquer pessoa pode ser submetida a cirurgias plásticas
Mito: Para ser considerado apto a uma cirurgia plástica é preciso estar bem do ponto de vista físico e psicológico. Por serem cirurgias eletivas, ou seja, programadas, sem caráter de urgência, devem acontecer sempre com o menor risco possível. Apenas o médico poderá avaliar o quadro do paciente e indicar ou não a realização da cirurgia plástica.


10. Mulheres que acabaram de ter filhos podem fazer cirurgia plástica
Mito: As mulheres que acabaram de ter filhos não devem ser submetidas a nenhuma cirurgia plástica. O corpo está numa fase de transição, repleto de hormônios da gravidez. O ideal é esperar pela completa recuperação do pós parto, e realizar qualquer procedimento cirúrgico após uma média de 6 meses depois do término da amamentação.

publicidade:

publicidade:

publicidade: