33°C 21°C

São Paulo, SP

31°C 17°C

Curitiba, PR

31°C 20°C

Belo Horizonte, MG

37°C 20°C

Rio de Janeiro, RJ

30°C 20°C

Porto Alegre, RS

30°C 24°C

Salvador, BA

Terça-feira, 21 de Agosto de 2012 - 11h04

Jipe Curiosity pulveriza sua primeira rocha em Marte

Brasil 247
Reprodução/Facebook

Por Steve Gorman

LOS ANGELES, 20 Ago (Reuters) - O jipe Curiosity desintegrou no domingo sua primeira rocha na superfície de Marte, usando uma pistola a laser com o objetivo de estudar sua composição mineral.

A rocha foi destruída com 30 pulsos de laser, durante um período de dez segundos, disse a Nasa em nota.

Cada pulso gera uma energia superior a 1 megawatt, durante cerca de 5 bilionésimos de segundo. Isso faz com que um minúsculo pedaço de pedra seja vaporizado, gerando uma fagulha que é analisada por um pequeno telescópio instalado no Curiosity.

O brilho ionizado, que pode ser observado e registrado a até 7 metros de distância, é então separado conforme seu comprimento de onda por três espectrômetros capazes de informar aos cientistas qual é a composição do alvo.

O aparelho, chamado ChemCam (pelas iniciais em inglês de "química" e "câmera") consegue discernir mais de 6.000 comprimentos de onda diferentes, em ultravioleta, infravermelho e no espectro de luz visível. A expectativa dos cientistas é realizar 14 mil medições durante a missão do laboratório móvel Curiosity.

A atividade realizada por volta das 8h de domingo (hora de Brasília) serviu apenas como "treino de alvo" para o instrumento. Mesmo assim, os cientistas vão examinar a composição dessa rocha.

O Curiosity, um jipe de seis rodas e uma tonelada, pousou em 6 de agosto dentro de uma cratera nos arredores do equador marciano, após uma viagem de oito meses pelo espaço. O aparelho deve passar dois anos enviando informações que permitam descobrir se Marte tem ou já teve condições para abrigar vida microbiana.

O projeto de 2,5 bilhões de dólares marca a primeira missão de microbiologia da Nasa desde as sondas Viking, enviadas a Marte na década de 1970. É também o mais avançado laboratório já despachado a outro corpo celeste.

A técnica empregada pelo ChemCam já é usada para analisar materiais em outros ambientes extremos, como dentro de reatores nucleares ou no leito marinho.

A tecnologia também tem aplicações experimentais no monitoramento ambiental e na detecção de tumores. Mas o exercício de domingo foi o primeiro uso na exploração interplanetária, segundo a Nasa.

O principal objetivo da Curiosity é explorar o monte Sharp, que fica a cerca de 7 quilômetros do ponto onde o jipe está - uma jornada que pode levar seis meses. Antes disso, os técnicos pretendem mobilizar o jipe num trajeto mais curto, de no máximo 500 metros.

 

publicidade:

publicidade:

publicidade: