33°C 20°C

São Paulo, SP

32°C 20°C

Curitiba, PR

31°C 21°C

Belo Horizonte, MG

38°C 22°C

Rio de Janeiro, RJ

37°C 23°C

Porto Alegre, RS

30°C 23°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 22 de Novembro de 2018 - 11h44

Justiça do Japão pede prisão de brasileiro que dirigia a Nissan

Agência Brasil

A Promotoria de Justiça de Tóquio, no Japão, que determinou a prisão do franco-brasileiro Carlos Ghosn, o ex-CEO [executivo] da Nissan Motor, por maquiar dados sobre lucros, investiga novas suspeitas de irregularidades.

 

Ghosn é suspeito de instruir diretamente um assessor, por e-mail, a pagar US$ 1,5 milhão para reformar sua casa, no Líbano.

 

EPA9602. TOKIO (JAPÓN), 19/11/2018.- Foto de archivo del presidente de Nissan Motor, Carlos Ghosn, da una rueda de prensa en Tokio (Japón) el 20 de octubre de 2016. Las autoridades niponas se disponen a arrestar al presidente de Nissan Motor,
 
Carlos Ghosn, diretor da Nissan, teve sua prisão determinada pela Justiça japonesa (EFE/Kimimasa Mayama/Direitos Reservados)

 

Há informações de que Ghosn enviou um e-mail orientando um assessor para providenciar o pagamento para a casa do Líbano, levantando dúvidas sobre sua conduta como executivo.

 

De acordo com dados, ainda sob apuração, o imóvel foi comprado por US$ 9 milhões. Pelo menos R$ 6 milhões foram gastos nas reformas.

 

Ghosn nega que tenha transmitido orientações via e-mail ao diretor-representante da Nissan, Greg Kelly. Kelly está detido por seu envolvimento na alegada má- conduta financeira.

 

Há três dias, Ghosn foi preso sob a acusação de subestimar sua renda em 5 bilhões de ienes (o equivalente a US$ 44 milhões), nos relatórios de valores mobiliários.

 

Ghosn foi acusado de fazer a Nissan comprar residências de luxo para ele usando os fundos de investimento da empresa, inclusive no Rio de Janeiro, Brasil e Beirute, no Líbano.



publicidade:

publicidade:

publicidade: