33°C 22°C

São Paulo, SP

32°C 21°C

Curitiba, PR

31°C 20°C

Belo Horizonte, MG

40°C 22°C

Rio de Janeiro, RJ

27°C 22°C

Porto Alegre, RS

30°C 22°C

Salvador, BA

Terça-feira, 27 de Novembro de 2018 - 15h02

ONG pede que Argentina puna príncipe acusado de morte de jornalista

Agência Brasil

 

A organização não-governamental (ONG) Human Rights Watch pediu à Justiça argentina que recorra a uma cláusula de crimes de guerra de sua Constituição para investigar o papel do príncipe herdeiro saudita, Mohammed bin Salman, em possíveis crimes contra humanidade no Iêmen e o assassinato do jornalista Jamal Khashoggi.

 

O pedido foi enviado ao juiz federal Ramiro González. O príncipe é acusado de violações de direitos humanos pela ONG. Ele participa da Cúpula do G20 (que reúne as principais economias do mundo), em Buenos Aires, a partir do dia 30.

 

A Constituição argentina reconhece a jurisdição universal para crimes de guerra e tortura. A interpretação pode permitir que as autoridades judiciais sejam investigadas e até processadas por tais crimes independentemente de onde foram cometidos.

 

Khashoggi

O jornalista saudita era um crítico do seu governo e trabalhava como colunista do jornal Washington Post . Em setembro, ele foi morto, após ingressar no consulado saudita em Istambul, na Turquia.

 

Desde então o mundo assiste aos desdobramentos das investigações que envolvem sauditas, turcos e norte-americanos. O príncipe herdeiro da Arábia Saudita está no centro das suspeitas.

 

*Com informações da Telam, agência pública de notícias da Argentina.



publicidade:

publicidade:

publicidade: