33°C 20°C

São Paulo, SP

31°C 18°C

Curitiba, PR

28°C 19°C

Belo Horizonte, MG

37°C 20°C

Rio de Janeiro, RJ

32°C 23°C

Porto Alegre, RS

30°C 23°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 20 de Setembro de 2018 - 17h01

Como o estresse e o estado físico afeta a saúde da criança

Redação Mundo Positivo

Foto: Reprodução/Divulgação


A infância de hoje não é como a de antigamente. Repetidas vezes questionamos com essa máxima a velocidade e os excessos de compromissos dos tempos atuais, que não estão restritos apenas a vida adulta e já permeiam a infância. É necessário criar desde cedo uma rotina de responsabilidades para os pequenos, mas qual o limite divide uma rotina saudável do excesso de compromissos que levarão ao estado de estresse? Para a pediatra Denise Katz (CRM 63548-SP), a linha é tênue e é importante que os pais estejam atentos já que esse mal pode trazer riscos para a saúde emocional e física da criança. 



“O estresse acontece a partir de reações físicas e psicológicas que causam mudanças químicas no corpo. Elas podem ocorrer tanto a partir de sensações boas como experiências ruins. O excesso de atividades extracurriculares, além de cobrança exageradas e brigas familiares podem não apenas afetar as defesas das crianças como seu comportamento. A infância é composta por anos imprescindíveis para a formação da personalidade e caso ocorra períodos excessivamente estressantes ou traumáticos é possível que aconteça um prejuízo na formação do comportamento e aprendizado da criança”. 



Em relação à saúde, a especialista alerta: a incidência de estresse pode trazer prejuízos para a saúde da criança, como: cefaleia, náuseas, distúrbios alimentares e de sono, predisposição para infecções e até prejudicar o desenvolvimento cognitivo. 



Mas nem toda frustração é de todo mal. De acordo com a médica é importante que a criança vivencie pequenas insatisfações durante seu crescimento, para aprender a lidar com desafios. O que não pode ocorrer é o excesso, para evitar problemas na infância e consequências na vida adulta como hipertensão, doenças cardíacas e até depressão. 



Mas como lidar com a criança que já está estressada?

“Os pais devem estar atentos às mudanças comportamentais da criança como introversão, insegurança, agressividade e desanimo para entender se algo pontual está frustrando o seu filho ou se a rotina dele está desgastante. Caso perceba que os sintomas estão persistindo por mais tempo do que o de costume, é importante entender quais são os fatores estressantes e evita-los. Além de dar apoio e afeto para que a criança entenda que a criança sinta-se mais segura. Ainda é imprescindível buscar ajuda médica e psicológica para minimizar os sintomas do pequeno, explica a especialista”. 



publicidade:

publicidade:

publicidade: