23°C 17°C

São Paulo, SP

17°C 14°C

Curitiba, PR

28°C 19°C

Belo Horizonte, MG

28°C 20°C

Rio de Janeiro, RJ

23°C 15°C

Porto Alegre, RS

31°C 25°C

Salvador, BA

Sexta-feira, 21 de Dezembro de 2018 - 09h26

O que os hackers fazem com senhas roubadas?

Publieditorial

Foto: Reprodução/Divulgação

 

Só no ano de 2015, mais de 1 bilhão de senhas foram furtadas e divulgadas por hackers na internet. Segundo informações da rede de notícias da BBC Las Vegas, o Yahoo, MySpace, LinkedIn, Dropbox e Tumblr foram apenas alguns dos sites, os quais tiveram os servidores invadidos por cibercriminosos.

 

Por causa dessas invasões, é cada vez mais comum as empresas dispararem mensagens em forma de alertas, para que os usuários troquem as senhas regularmente. Este processo dificulta o trabalho dos ladrões online que estão sempre de olho em contas de e-mail devido à forma que são usadas – normalmente, elas estão interligadas a dados bancários.

 

LEIA MAIS

+ “Este celular foi infectado”, e agora?
‘Golpe do parabéns’ é a nova sensação do WhatsApp
Conheça o vírus que pode invadir o celular pelo WhatsApp
Saiba quem é o hacker acusado de desviar R$ 400 milhões de contas bancárias

 

Para provar este fato, o cientista de computadores Jeremiah Onaolapo, da Universidade College London, na Inglaterra, criou 100 contas no Gmail e vazou todos os nomes de usuários e senhas em fóruns frequentados por hackers. O resultado? Do total criado, ao menos 90 foram visitados de maneira indevida.

 

A princípio, o especialista identificou que os invasores apenas monitoravam o acesso às essas contas. Para eles, o importante era saber quais estavam ativas e quais não eram usadas com frequência. Em seguida, os ladrões observavam os tipos de informações que eram circuladas na caixa de mensagens. Esse interesse era para, justamente, infectá-los com vírus e dispará-los por e-mails a outros alvos.

 

Testes sem fim

Em entrevista à BBC, Stephen Moody, que trabalha na empresa de segurança ThreatMetrix, completou a análise do cientista ao afirmar que, uma vez que os hackers descobrem uma combinação de usuário e senha, eles a testam em diversos sites até conseguirem entrar. Normalmente, as pessoas têm em média 36 contas online e poucas senhas diferentes. Logo, mudar a senha a cada seis meses, no máximo, é sempre o mais indicado. 

 

Segurança em primeiro lugar

Manter um antivírus sempre ativo ao ligar o computador, notebook ou dispositivo móvel, é de imensa importância, já que este método ajuda a prevenir as ameaças online. Porém, quando o assunto é senha, você deve:


1. Escolher uma frase ou termos aleatórios como palavra-chave;

2. Usar senhas diferentes para cada site, rede social, aplicativo ou serviço de cadastro;

3. Considerar a possibilidade de usar um programa gerenciador de senhas para todas as contas;

4. Não criar senhas padrão, como por exemplo: sequência numérica, datas comemorativas, nomes de pessoas, personagens e apelidos.

Tem alguma dúvida sobre segurança digital? Envie-nos um e-mail para: [email protected]

 

Foto: Reprodução/Divulgação

 

Quer saber mais sobre segurança na internet? A McAfee, maior empresa especialista em tecnologia de segurança do mundo, tem dicas e soluções que ajudam a proteger os consumidores e as empresas de todos os tamanhos contra os malwares e as ameaças online mais recentes. Para mais informações, acesse o site: http://www.mcafee.com/br.




publicidade:

publicidade:

publicidade: