Ciência & Tecnologia Tecnologia

Observatório Nacional promove visitas ao maior telescópio refrator do país

[mp_script_post_header]
observatório nacionalO Observatório Nacional promove até o próximo domingo (27) visitas à Luneta 46, o maior telescópio refrator do país que tem mais de 100 anos.
O público interessado em ciência e tecnologia poderá conhecer as instalações e os experimentos de geofísica e astronomia do observatório, além de observar o Sol bem de perto, por meio de um heliômetro.

O objetivo das atividades é traduzir para os jovens a ciência na prática. “Mostrar que é a partir da observação natural que os cientistas criam as fórmulas estudadas na escola é uma forma de aproximar a ciência da realidade concreta, de forma divertida e simplificar o conhecimento”, disse o coordenador da Divisão de Atividades Educacionais do Observatório Nacional, Carlos Veiga.

Entre os destaques da programação, que começou na segunda-feira (22), está a Luneta 46, o maior e mais antigo telescópio refrator do país ainda em funcionamento. “É muito interessante para as crianças ver a imponência da luneta, que tem 6 metros, pesa 5 toneladas e ainda está na ativa”, ressalta o professor Veiga, do Observatório Nacional.

Quem comparecer às atividades também vai conhecer os relógios atômicos de alta precisão, que geram a Hora Legal Brasileira, o famoso horário de Brasília, além de assistir a palestras sobre o magnetismo do planeta Terra e terremotos, com exibição de experimentos interativos.

No intuito de levar a ciência dos livros para a vida real, o público poderá ainda observar o Sol bem de perto, por meio de um heliômetro. Carlos Veiga explica que o equipamento de alta precisão permite observar o diâmetro do Sol para pesquisas científicas e lembra que o ON é um dos líderes nessa observação.

A programação faz parte da Semana da Nacional de Ciência e Tecnologia 2013 e será realizada no campus do Observatório Nacional em São Cristóvão, na zona norte da cidade do Rio até sexta-feira (25) e durante o final de semana no Parque Madureira, também na zona norte.

Foto: Agência Brasil


Talvez você também goste