Economia & Política Notícias

Governo do Rio prevê criação de 1,5 milhão de empregos

[mp_script_post_header]
Divulgação_Folhapress

247 – Impulsionado pela injeção de recursos, nos próximos anos, de aproximadamente R$ 181,4 bilhões em investimentos públicos e privados, dos quais R$ 45,4 bilhões apenas na Região Metropolitana, somados à realização de megaeventos esportivos, como a Copa do Mundo e as Olimpíadas, o Estado do Rio vai ganhar cerca de 1,5 milhão de vagas de emprego no mercado de trabalho nos próximos 15 anos, especialmente no Grande Rio, o que obriga o estado a equacionar o planejamento da região de forma prioritária.

Este quadro otimista para quem vai ingressar pela primeira vez ou está tentando reingressar no mercado de trabalho foi apresentado nesta quarta-feira (1/8), na Bolsa de Valores, no Centro do Rio, durante o segundo encontro dos Diálogos Metropolitanos ” Ideias para Modelar a Metrópole, organizado pelo Comitê Executivo de Estratégias Metropolitanas – Rio Metrópole, instituído pelo Governo do Estado, para debater caminhos e soluções para os desafios provocados pelo aquecimento da economia fluminense.

A segunda etapa do ciclo de debates tratou do tema sobre a geração de empregos, principalmente na Região Metropolitana, que continua a concentrar a maior parte das atividades produtivas e de serviços do estado. Organizado pelo subsecretário de Urbanismo Regional e Metropolitano, Vicente Loureiro, com o apoio do Sebrae, o seminário teve a participação de especialistas em planejamento urbano de grandes metrópoles.

Arco deve gerar entre 700 mil e 800 mil empregos em 15 anos

Volumosos investimentos estão sendo feitos em portos, rodovias e indústrias, com destaque para o polo siderúrgico de Sepetiba, o Complexo Petroquímico da Petrobrás (Comperj), em Itaboraí, e o Arco Metropolitano, que vai ligar os dois polos industriais ao Porto de Itaguaí, cruzando toda a Região Metropolitana. Esses e outros investimentos previstos vão induzir a utilização de áreas vazias para indústrias, comércio e habitação, e gerar muitos empregos, com o consequente surgimento de uma série de necessidades inerentes.

– Apenas o Arco Metropolitano deve criar, nos próximos 15 anos, entre 700 mil e 800 mil postos de trabalho, através da indução de novos arranjos produtivos e com grande impacto no setor de serviços. A compreensão desse fenômeno que já provoca alterações nas configurações das centralidades urbanas deve levar em consideração a necessidade de equacionar prioritariamente um modelo de organização espacial da metrópole e encontrar respostas para o desafio da governança metropolitana – afirmou Loureiro na abertura do evento.

O diretor do Sebrae-RJ, Evandro Peçanha, disse que os pequenos e médios empreendimentos possuem grande capacidade de proporcionar oportunidades de trabalho no país. Segundo ele, 98%dos estabelecimentos da economia brasileira são de pequeno porte e médio porte e que 60% dos empregos, inclusive no Estado do Rio, são gerados por esses negócios.

– Portanto, criar empregos é criar empresas. Para isso, o Sebrae se organiza em várias ações de apoio ao empreendedorismo, desde o individual até quem chega ao ápice da pirâmide econômica. A inserção do Sebrae no seminário é no sentido de agregar essas experiências e práticas à discussão proposta pela Secretaria de Obras – afirmou Peçanha.

Com informações do Governo do Rio.


Talvez você também goste