Mundo Tech Tecnologia

Facebook pode ficar com 30% dos ganhos de seu sistema de patrocínios de páginas

O Facebook começou a expandir o ataque ao Patreon, dando a mais proprietários de páginas a capacidade de começar a oferecer conteúdo para seus assinantes em troca de um patrocínio mensal. Acontece que, ao participar deste serviço, o Facebook obtém uma espécie de licença vitalícia para usar todo o conteúdo e o direito de ficar com impressionantes 30% das taxas de assinatura.

Quando o Facebook anunciou o recurso Fan Subscriptions, em março de 2018, o serviço estava aberto apenas a 10 criadores de conteúdo nos EUA e no Reino Unido. Depois de um período de teste inicial, a rede social começou a enviar e-mails para mais criadores. Com a novidade, criadores podem oferecer assinaturas mensais de US$ 4,99 a seus fãs, o que lhes dá acesso a conteúdo exclusivo e um selo especial que aparece ao lado dos comentários do usuário na página.

Por enquanto, os proprietários de páginas conseguem manter toda a taxa de inscrição, mas o Facebook já planeja começar a “arrecadar” uma vez que o recurso for lançado formalmente, com seus termos de serviço permitindo que a empresa leve até 30% dos ganhos, com 30 dias de antecedência. Esse corte é padrão para um aplicativo na App Store da Apple ou da Google, mas é gigante para uma plataforma focada no criador: o Patreon, por exemplo, fica com apenas 5% do que é arrecadado.

Os termos de serviço também preveem que o Facebook pode oferecer períodos de testes com descontos para os usuários, mas que o abono sairia do bolso dos criadores. É rir para não chorar, não é mesmo?

O fundador da Hard Times, Matt Saincome, disse ao Verge que recebeu um convite para usar as assinaturas de fãs e que também se viu surpreendido com os termos incomuns do Facebook. É comum que serviços de assinatura como o Patreon recebam uma licença para usar o trabalho dos criadores para promover a plataforma e o criador enquanto o serviço está em uso. Mas o acordo do Facebook pede que os criadores entreguem uma licença para que o trabalho permaneça mesmo depois que eles pararem de usar o recurso.

Saincome prevê que o Facebook usará esses termos expansivos para atrair editores, depois aumentar seu corte e aproveitar seu conteúdo. Os editores e proprietários de páginas grandes já têm um relacionamento tenso com a rede social devido à maneira como limita o alcance de suas postagens e mudou seu algoritmo para preferir amigos e familiares. “Parece que eles não têm idéia de quanto os editores desconfiam deles”, disse Saincome.

Entre as páginas que receberam convites estão uma que só faz memes e outra chamada de Resgate de Dachshund. Um porta-voz do Facebook disse ao Verge que o número de criadores que atualmente testam o serviço está na casa dos milhares e ofereceu mais detalhes sobre a participação de 30% na receita. A empresa diz que ainda não determinou o número exato para quando o recurso for lançado, mas as futuras rotações de ações estarão de acordo com as práticas padrão do setor.

Você é criador de conteúdo no Facebook e recebeu este convite? Comente conosco e dê sua opinião sobre o tema nos comentários!

Fonte: Canaltech


Talvez você também goste