Diversão Famosos

Alienados: As Novas Mulheres Ricas

[mp_script_post_header]

alienadosUm show de futilidade e ostentação: Esses são os comentários do público que assistiu a estreia da 2ª temporada do Mulheres Ricas nesta Segunda-Feira (07), formato já consagrado na BAND. Com intuito de agregar o máximo de público possível, a equipe da emissora fez o que pôde, incluindo a nova gama de participantes, as quais são empresárias, fazendeiras, cantoras ou apenas socialites implorando por pouco de fama momentânea e notoriedade midiática.

Aeileen Varejão, Andréa Nóbrega, Cozete Gomes, Mariana Mesquita e Narcisa Tamborindeguy nos levam ao fantástico mundo do luxo, da riqueza e do prazer, longe do universo enfrentado pela maioria dos brasileiros, os quais vivem em um país que prima em honrar pela democracia, honestidade e igualdade, mas que possui índices alarmantes de pobreza,  de racismo e de ineficiência na educação e na saúde pública. Por estes e outros motivos, a nação Brasil não pode desfrutar deste universo que o dinheiro pode proporcionar e, deste modo, ficam apenas com o conhecimento do programa, com os comentários que as mulheres são  “fúteis” e ao mesmo tempo com o gostinho de quero mais.

Segundo o próprio diretor do programa Diego Pignataro, a 2ª temporada do reality show promete “menos ostentação e mais conflitos pessoais”. Apesar de tentar amenizar o susto que as mulheres ricas causaram na família brasileira em sua primeira temporada, o que se pôde observar na estreia de ontem é o foco na “Ex-mulher do humorista da praça” – como ela mesmo se define – e na mulher do “ex-atleta e ex-jogador de futebol”. Além disso, o melhor – ou pior – ainda está por vir e promete muitas confusões: além de Narcisa Tamborindeguy e as demais participantes, uma nova personalidade já conhecida pelo público e pela sua espontaneidade volta para o reality mais luxuoso da TV. Val Marchiori largou seu contrato com a Record só para voltar e completar o time de beldades, totalizando uma temporada de 6 mulheres ricas. Querendo ou não, a BAND mostra com essa atitude o medo de apostar em novos rostos e o desejo de conquistar uma boa audiência, trazendo de volta uma figura polêmica e famosa.

Os comentários mais polêmicos, aqueles que são gravados individualmente não foram esquecidos. Com uma pitada de dicas da produção do programa e um corte ali, outro aqui, as brigas são certas e as inimizades ou apenas críticas umas as outras tomam proporções satisfatórias para a emissora e principalmente ganham as páginas dos principais sites e programas de fofoca. Mas, todo o burburinho causado pela exibição do Mulheres Ricas não condiz com a expectativa da BAND em quesito audiência. Para se ter uma ideia, foram 4 pontos de média na estreia, permanecendo em 4º Lugar atrás da Globo, SBT e Record, respectivamente. Agora para avaliar ou sucesso ou insucesso da aposta da emissora do Morumbi é necessário um pouco mais de tempo. *Vale ressaltar que cada ponto equivale a 58.000 domicílios somente na Grande São Paulo.

Que toda essa estreia e os comentários nos façam refletir sobre o mundo em que vivemos, sobre as condições as quais são impostas e principalmente sobre o poder que temos de mudar o nosso país, de lutar pelos nossos objetivos e direitos, e além disso, tornar o mundo melhor. Para isso não é preciso usar de violência, de atos maliciosos ou ao menos se aproveitar do próximo. Para isso, somente a voz, o pensamento, a luta consciente e o desejo de um futuro melhor nos levarão para um universo não rico em dinheiro, mas rico em sabedoria e dignidade, recursos indispensáveis, porém inexistentes no mundo contemporâneo.

(A opinião transmitida neste post é de total responsabilidade de seu autor, não representando necessariamente o ponto de vista deste site).

Por: Ian Gusmão ? Exclusividade O CANAL

 


Talvez você também goste