Saúde & Bem-estar

Perigos do Automedicamento: Maioria dos Brasileiros Consomem Medicamentos Sem Orientação Médica




Imagem de Pexels por Pixabay

 

A automedicação é um hábito bastante comum no Brasil, segundo a Pesquisa de Automedicação do Instituto de Pesquisa e Pós-Graduação para o Mercado Farmacêutico (ICTQ). De acordo com o estudo, aproximadamente 9 em cada 10 pessoas tomam remédios sem prescrição médica. No entanto, especialistas ressaltam os perigos dessa prática para a saúde.

Embora possa parecer uma solução rápida e eficaz, a automedicação pode trazer consequências graves. Além de prolongar a recuperação de doenças de fácil tratamento, ela pode mascarar problemas mais sérios que exigem acompanhamento médico.

O neurocirurgião Dr. Guilherme Rossoni destaca que tomar medicamentos por conta própria pode colocar a vida em risco. A automedicação é extremamente perigosa e até mesmo fatal. Além dos riscos de intoxicação e ineficácia no tratamento adequado, a pessoa que se automedica corre o risco de morte.

O especialista chama atenção para o uso inadequado de antibióticos, medicamentos essenciais no combate às infecções. Segundo ele, o uso incorreto desses remédios pode piorar o quadro do paciente.

Um exemplo disso é a modelo internacional Vivi Di Domenico, que enfrentou problemas de saúde ao tomar medicamentos para emagrecer sem orientação médica. No início de sua carreira, ela cedeu à pressão estética e recorreu a remédios para perder peso. Após ganhar peso em uma viagem de trabalho, a modelo decidiu usar a sibutramina sem a devida prescrição médica.

A sibutramina é um medicamento oral indicado para o tratamento da obesidade, mas deve ser utilizado apenas sob orientação médica, conforme descrito na bula. Vale ressaltar que seu uso é contraindicado para tabagistas, pacientes com índice de massa corpórea (IMC) menor que 30 kg/m2, histórico de transtornos alimentares, tratamento medicamentoso para perda de peso e/ou transtornos psiquiátricos, além de pacientes com doenças crônicas como diabetes e hipertensão.

Entre os efeitos colaterais da sibutramina, estão constipação, boca seca, insônia, taquicardia, aumento da pressão arterial, náuseas e tonturas, entre outros sintomas.

Hoje em dia, Vivi Di Domenico destaca a importância de repensar os padrões estéticos impostos pela indústria da moda e incentiva outros profissionais a priorizarem a saúde em vez de se submeterem a pressões prejudiciais.

A modelo compartilha sua experiência como um alerta sobre a necessidade de promover um diálogo aberto sobre saúde mental e física no mundo da moda, visando uma abordagem mais consciente e responsável em relação ao bem-estar dos profissionais dessa área.

Se você está enfrentando algum problema de saúde, lembre-se sempre de buscar orientação médica. A automedicação pode trazer sérias consequências para a sua saúde. Cuide de você e confie em profissionais qualificados para cuidar do seu bem-estar.

Continua após a publicidade..