Campeonato Brasileiro

Da estreia no Flamengo à afirmação em Israel: o goleiro que se divide entre o futebol e o exército

Da estreia no Flamengo à afirmação em Israel: o goleiro que se divide entre o futebol e o exército - 1

​Sair da Gávea, no Rio de Janeiro, para o Exército de Israel é uma longa distância. Mais de 10 mil quilômetros, para ser mais preciso. E foi com esta trajetória incomum que Daniel Miller Tenenbaum precisou lidar para dar sequência ao seu sonho de criança: ser um jogador de futebol profissional. Aos 24 anos de idade, o goleiro do Maccabi Tel Aviv – maior clube israelense – trilhou um caminho que lhe ofereceu a oportunidade de ganhar sequência debaixo das traves e resolveu arriscar.

 

Brazilian Football League Serie A Headshots

 

Com apenas uma partida realizada no time principal do ​Flamengo (um empate em 1 a 1 contra o Grêmio em 2014, entrando em campo após expulsão de César), Daniel foi emprestado ao Maccabi no segundo semestre de 2016. E por lá permanece até hoje, comprado em definitivo. No entanto, mesmo de longe, ainda mantém contato com alguns de seus ex-companheiros de trabalho dos tempos de Rubro-Negro. Dentre eles, ​Paulo Victor, hoje titular do Grêmio, de quem fala com muito carinho:

O Paulo me ajudou muito, como um irmão mais velho. Sempre me dando conselhos, me ajudando em tudo, tudo mesmo. A gente ainda mantém contato, ele sempre me pergunta como está aqui, se preciso de alguma coisa. É muito legal“, contou, destacando que, apesar da amizade, torcerá pelo Rubro-Negro na Libertadores, uma vez que vários amigos (incluindo seus treinadores de goleiros da época) seguem no clube.

A situação incomum gera questionamentos. Afinal de contas, como, no meio de uma carreira de atleta profissional, Daniel foi parar no exército israelense? A explicação tem ligação com suas ​raízes judaicas, sua dupla cidadania e a legislação do país:

Pelo que soube, o Maccabi faz um mapeamento de judeus que jogam pelo mundo, porque, quando você é judeu e vem morar em Israel, você ganha o passaporte. Tem uma lei aqui que diz que qualquer judeu do mundo que vem para ficar em Israel vira israelense. E também tem outra lei que diz que, quando você vem até os 23 anos, você tem o serviço obrigatório do exército. Eu vim com 21, então obrigatoriamente eu tenho que cumprir dois anos de serviço militar. Já fiz um ano, falta mais um“, detalhou.

Da estreia no Flamengo à afirmação em Israel: o goleiro que se divide entre o futebol e o exército - 3

 

Tudo bem que a vida de goleiro não é fácil e é cheia de riscos, mas servir um exército em paralelo aos seus afazeres esportivos justo numa área tão conhecida por guerras e conflitos?! Soa mais perigoso que o ofício de frear a alegria dos atacantes. Só que não é bem assim a história. A rotina de Daniel – apesar de estafante – passa longe de qualquer enfrentamento bélico:

O exército entende minha condição de atleta, então meus horários por lá dependem da hora em que vou treinar ou jogar pelo Maccabi. Lá eu faço trabalho de escritório, burocrático, logística e coisas do tipo. O pessoal de fora logo pensa ‘está no exército, vai pra guerra’, mas não é assim. Fico no escritório, no ar-condicionado, mas é uma rotina pesada, já que são dois trabalhos. No meu momento de descanso de atleta, eu ainda preciso trabalhar e ficar com a cabeça pensando“, contou, dando ainda mais detalhes de sua vida em Tel Aviv:

Gosto muito de morar aqui, é zero perigoso. Zero. A imagem que os brasileiros têm é que, se você andar na rua vai ter um míssil caindo na sua cabeça. E desde que eu estou aqui, não vi nada disso. Você pode andar na rua às 3h da manhã com o telefone na mão que não vai te acontecer nada. A qualidade de vida é muito boa. Mesmo longe da família e de alguns amigos, é uma vida boa“, esclareceu.

 

 

Daniel faz todas as tarefas militares em hebraico, já que o clube providenciou aulas particulares a fim de tornar sua adaptação ainda mais rápida. Formado em Administração ainda nos tempos de Rio de Janeiro, ele vê múltiplas opções para o futuro, seja como jogador ou até depois, no pós-carreira. Arrependimento de ficar num mercado menos visto e menos conhecido pelos brasileiros? Nenhum, pelo contrário:

 

Da estreia no Flamengo à afirmação em Israel: o goleiro que se divide entre o futebol e o exército - 4

 

Não sei se é o momento de voltar para o Brasil. No futuro, claro que considero. Não tenho as portas fechadas para nenhum time nunca, mas acho que agora não é o momento, é mais seguir por aqui mesmo. Eu vi como uma oportunidade, uma chance de crescer na carreira e de ganhar janela para outros lugares no futuro“, afirmou, completando que a Premier League é a liga que mais lhe atrai no momento como profissional. No entanto, fez questão de ressaltar que se surpreendeu positivamente com os torcedores em Israel:

Eu não imaginava tanto fanatismo, achei que seria mais largado. Me surpreendeu muito, as torcidas são super fanáticas, cantam o tempo inteiro e agora no estádio novo aqui (Bloomfield, onde a entrevista foi realizada), o clima tem ficado muito legal. Mas quando a gente joga fora a torcida me xinga o tempo inteiro também. Tem os dois lados, um apoia e o outro xinga“, contou aos risos.

 

Fã de ​Alisson e Ederson, enxerga como um sonho a seleção brasileira, apesar de não descartar também a possibilidade de defender a israelense caso venha a ser chamado em virtude da dupla cidadania. Mas na realidade Daniel não quer pensar nisso no momento, prefere seguir conquistando seu espaço jogo a jogo e se firmar de vez no Maccabi Tel Aviv. Afinal de contas, ele sabe muito bem como é a vida com as luvas:

 

“Goleiro é um esporte dentro do futebol”.

 

Filosófico, mas totalmente verdadeiro.

Fonte: 90min


Talvez você também goste