Futebol

Futebol nunca é demais, mas Supercopa ‘renovada’ merece todas as críticas

Futebol nunca é demais, mas Supercopa 'renovada' merece todas as críticas - 1

​No último domingo (12), o Real Madrid superou seu arquirrival Atlético, nas penalidades, para se sagrar campeão da Supercopa da Espanha 2019/20. Foi a primeira edição do torneio sob novo formato, com quatro participantes e sistema de semifinais/final, disputada em solo saudita. Apesar do nível das partidas não ter deixado a desejar, a competição recebeu duras e merecidas críticas da opinião pública.

 

​​Em primeiro lugar, está escolha da Arábia Saudita como sede para o evento. Além de revelar uma completa desconexão com aspectos político-sociais que envolvem a região, essa decisão evidenciou como a Federação Espanhola prioriza o lucro em detrimento da qualidade de seu produto. Expor quatro elencos a uma logística complexa com a temporada a pleno vapor – sendo que esses mesmos quatro clubes estarão em campo já nas próximas semanas pelas oitavas de final da ​Champions League -, escancara como a entidade que deveria proteger seus atletas simplesmente não se importa com potenciais impactos no calendário de clubes.

 

FBL-KSA-ESP-SUPERCUP-BARCELONA-ATLETICO

 

A consequência direta de uma escolha de sede tão questionável foi a baixíssima procura de torcedores espanhóis para acompanhar o torneio in loco. O King Abdullah Sports City passou longe de estar tomado nos três jogos do evento, e os que lá estiveram, eram de esmagadora maioria de locais curiosos em ver estrelas madridistas ou o seis vezes melhor do mundo do ação​Lionel Messi.

 

 

Por fim, mas certamente não menos importante, está o formato do torneio em si e suas nítidas desigualdades. Para esticar mais a competição, duas equipes que nada conquistaram em 2018/19 foram convidadas: Atlético e Real Madrid, justamente os que fizeram a grande final. Apesar de chegar com status de atual campeão da Copa do Rei, o Valencia recebeu uma fatia menor de bonificação por participação em relação aos demais. No fim das contas, quem mais faturou além da Federação foi o gigante da capital espanhola, que naturalmente não se qualificaria à disputa no formato antigo.

 

Santiago Valverde,Ezequiel Garay

 

Fonte: 90min


Talvez você também goste