Futebol

Justiça suspende votação do projeto de clube-empresa pelo Botafogo; instituição rebate

Justiça suspende votação do projeto de clube-empresa pelo Botafogo; instituição rebate - 1

Trabalhando para viabilizar seu projeto de transição para o modelo de clube-empresa, o ​Botafogo foi surpreendido por uma decisão judicial decretada ainda em dezembro pela Justiça do Trabalho, que considera como fraudulenta a iniciativa do clube em ceder direitos do Nilton Santos à investidores. Aos olhos do juiz Bruno de Paula Manzini, a transferência de direitos do estádio para investidores impediria a utilização de verbas oriundas do mesmo para a quitação de antigas dívidas trabalhistas do Alvinegro, se configurando em uma tentativa do clube em ‘escapar’ da execução de processos trabalhistas.

A decisão judicial, que ainda determinou a suspensão das votações relativas ao projeto de clube-empresa, foi recebida com espanto pela instituição. Nesta segunda-feira (3), o Botafogo utilizou suas plataformas para questionar a motivação e a competência da Justiça do Trabalho acerca do assunto. Confira um trecho do comunicado oficial do Alvinegro:

 

 

O Botafogo de Futebol e Regatas recebe com surpresa recente matéria, veiculada em mídia, acerca de decisão proferida há mais de um mês pelo MM. Juízo da 4ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro. Referido Juízo determinou a suspensão da decisão da Assembleia Geral Extraordinária do Clube, que autorizou o Presidente a seguir nos passos visando à formatação do Clube Empresa. O BFR, inobstante a suas já conhecidas dificuldades financeiras, que inclusive geraram o estímulo para o estudo do novo tipo societário, preza pelas relações jurídicas com seus credores. Ao contrário do afirmado na Decisão Judicial, o projeto de clube empresa objetiva justamente o pagamento a todos os credores”, publicou.

Fonte: 90min