Futebol

Pivô de saída de Ceni, Edílson expõe rusga com ex-técnico do Cruzeiro: “Nunca fui acomodado”

Pivô de saída de Ceni, Edílson expõe rusga com ex-técnico do Cruzeiro:

​Embalado por duas vitórias – contra São Paulo e Corinthians -, o ​Cruzeiro tem a chance de deixar a zona de rebaixamento na 27ª rodada do Campeonato Brasileiro. Neste sábado (26), a Raposa receberá, às 21h (horário de Brasília), o Fortaleza, dirigido por Rogério Ceni, no Mineirão. O embate reserva uma mistura de sentimentos, já que o treinador do Esquadrão de Aço ficou menos de dois meses comandando o clube mineiro – acabou demitido pela diretoria celeste.

 

Uma das principais teses que explicam a demissão de Ceni do comando do Cruzeiro, há cerca de um mês, foi, além da falta de resultados em campo, o clima conturbado com alguns “medalhões” do elenco, como os meias Thiago Neves e Robinho, o zagueiro Dedé e o lateral-direito Edílson. O camisa 2, inclusive, chegou a ser barrado de partidas do time no Brasileirão por alegar não estar em suas melhores condições físicas após uma lesão na panturrilha direita.

 

Rogerio Ceni

 

Agora, com Abel Braga no cargo, Edílson vem tendo mais oportunidades – atuou em quatro das últimas seis partidas – e retornou ao time titular. Em entrevista ao ​site GloboEsporte.com, o ala de 33 anos deu sua versão sobre a relação com Ceni pela primeira vez desde a saída do hoje treinador do Fortaleza. A decepção por não ter sido escalado na partida contra o Internacional válido pela semifinal da Copa do Brasil decepcionou muito o jogador.

“Quando o Rogério chegou, ele me falou que eu estava mal fisicamente. Eu lhe disse: ‘Sim, Rogério. Realmente estou’. Fiquei dois meses parado (estava lesionado) e tive uma semana de treinamentos até o jogo contra o Avaí. Mesmo assim, eu viajei porque o time estava numa situação ruim. Nem esperava entrar, pois o Orejuela estava jogando. Queria ajudar de alguma forma no vestiário ou algo assim. Fiquei praticamente três semanas treinando e me preparando para a decisão contra o Inter (pela Copa do Brasil). Eu já estava pronto, estava confiante. Acho que perdi a oportunidade de ajudar meus companheiros e a mim mesmo de ganhar mais um título”, contou Edílson.

 

“Acho que o Rogério errou ao me expor, assim como outros jogadores. Isso também será um aprendizado para a carreira dele, pois a gestão do grupo faz toda a diferença. Mas já está superado. Ele tem toda uma carreira de técnico pela frente e saberá ajustar essas coisas (…) Se eu não pensar na titularidade, nem posso pensar em jogar futebol. Nunca fui acomodado e estou aqui pra ajudar o Cruzeiro dentro de campo, completou o lateral. Com 28 pontos, o Cruzeiro pode sair da zona do rebaixamento caso vencer o Fortaleza e se Ceará ou Fluminense não vencerem na rodada.

Fonte: 90min