Futebol

Regra da FIFA viabiliza rescisão de Neymar em 2020; Barça estuda situação

Regra da FIFA viabiliza rescisão de Neymar em 2020; Barça estuda situação - 1

​A novela mais longa do futebol mundial está de volta e, ao que tudo indica, com capítulos agudos e promissores. Após uma janela de verão de flertes intensos sem final feliz, ​Neymar e Barcelona poderão se reunir novamente em agosto de 2020, apesar da possibilidade não ser levantada de forma pública por nenhuma das partes.

 

​​A possibilidade de um acerto entre jogador e clube catalão no próximo verão europeu é real, ainda que o Paris Saint-Germain não queira negociar seu camisa 10. O motivo é uma brecha no livro de regras da FIFA, explicada em detalhes pelo ​UOL Esportes.

 

Como destaca a fonte citada, o regulamento da entidade máxima do futebol mundial prevê que um jogador poderá rescindir unilateralmente seu contrato caso não esteja mais no chamado ‘período protegido’, que envolve todo e qualquer jogador de menos de 28 anos que assinou um novo contrato. O brasileiro tinha 25 anos quando assinou com o clube parisiense, o que lhe obrigava a cumprir ao menos três anos/três temporadas de contrato.

 

Neymar Jr

 

Em agosto deste ano, Neymar terá completado três anos vestindo a camisa do Paris, ou seja, deixará o chamado ‘período protegido’. Como seu contrato com o clube francês não tem multa rescisória definida, a única compensação financeira que os parisienses receberão em caso de rescisão por parte do camisa 10 é uma indenização, de valor calculado pela Justiça Desportiva Internacional. O órgão leva em conta os valores aplicados pelo clube para aquisição do atleta, o tempo de vínculo que ficou pelo caminho e cifras envolvidas no restante do tempo de contrato para calcular essa indenização.

O Barcelona está ciente dessa brecha no regulamento e já trabalha com uma estimativa de 160 ou 170 milhões de euros como indenização provável.

 

Neymar Jr

 

Fonte: 90min