Futebol

Retrospectiva do Bahia – Erros e acertos de 2019

Retrospectiva do Bahia - Erros e acertos de 2019 - 1

Dezembro, fim de temporada. Mês de especulações, reformulações e, principalmente, reflexão. É hora dos dirigentes avaliarem erros, acertos e começarem a planejar 2020. E para saber o que funcionou e o que deixou a desejar, nada melhor do que uma retrospectiva do ano, não é mesmo? Então, confira a seguir um resumo do que aconteceu no 2019 do Bahia:


Contratações

 

Willian Arao,Artur

 

Com maior credibilidade no mercado por manter suas contas e salários em dia, o Bahia conseguiu boas contratações no início da temporada: Douglas, Iago, Matheus Silva, Rogério, Shaylon, Arthur Caíke Guilherme e, especialmente o jovem Artur, cedido pelo ​Palmeiras via empréstimo. No decorrer de 2019, o atacante de 21 anos se consolidaria como dos jogadores mais importantes e talentosos deste elenco.


Expectativas criadas

 

Atletico MG v Bahia - Brasileirao Series A 2019

 

O clube baiano já havia sido bastante competitivo em 2018, não à toa conquistou vaga para a disputa da Copa Sul-Americana em 2019. As projeções para o Esquadrão antes da bola rolar eram positivas, figurando entre os candidatos à surpresa no Brasileirão e postulante ao título da Copa do Nordeste.


Campeonato Baiano

 

FBL-SUDAMERICANA-LIVERPOOL-BAHIA

 

No papel, uma equipe competitiva. Nas finanças, equilíbrio. Na arquibancada, uma torcida bem presente e apaixonada. Mas o início de temporada, esportivamente falando, não dialogou com o momento de prosperidade do clube. O Esquadrão terminou a fase de classificação do Baiano apenas na terceira posição e foi avançando ‘aos trancos e barrancos’. Ergueu o troféu de campeão estadual com um triunfo magro por 1 a 0 sobre o Bahia de Feira, resultado que levantou mais dúvidas do que celebrações.


Copas

 

FBL-SUDAMERICANA-LIVERPOOL-BAHIA

 

As dúvidas se transformaram em questionamentos e críticas após duas frustrações de grandes proporções na temporada do Esquadrão: a eliminação na primeira rodada da Copa Sul-Americana, para o Liverpool (URU); e a queda do clube na Copa do Nordeste ainda na fase de classificação, terminando na quinta posição na chave B, quando só quatro avançavam ao mata-mata. Os resultados ruins e não condizentes com a qualidade do elenco montado levaram a diretoria tricolor à ruptura do trabalho de Enderson Moreira, que posteriormente viria a assumir o comando o ​Ceará. Para seu lugar, o escolhido foi Roger Machado.

Já sob a batuta do novo comandante, o Esquadrão iniciou sua campanha na quarta rodada da Copa do Brasil, fase em que eliminou o Londrina-PR com 5 a 2 no agregado. Nas oitavas, fez o ​São Paulo de vítima com duas vitórias por 1 a 0. O sonho do título nacional viria a acabar nas quartas, quando caiu, de pé, para o Grêmio.


Parada da Copa América

 

Marinho,Juninho,Ronaldo

 

Com uma campanha mediana nas primeiras nove rodadas, o Esquadrão chegou à pausa no calendário nacional na nona posição do Brasileirão. Roger Machado aproveitou o mês sem jogos para promover mudanças em sua equipe, reforçada durante os meses de junho e julho: os zagueiros Marllon e Juninho, o lateral Giovanni, o meia Alejandro Guerra e o atacante Lucca chegaram ao Tricolor, enquanto Paulinho e Douglas se despediram rumo à Europa.


Brasileirão

 

Gilberto

 

Ganhando cada vez mais a cara de seu treinador, o Bahia foi crescendo no Brasileirão. O ápice de desempenho, aliado com conquista de resultados, veio na reta final do primeiro turno e rodadas iniciais do returno, recorte em que a equipe nordestina chegou a adentrar o G-6 da competição. Quando a vaga na ​Libertadores 2020 deixou de ser um sonho distante e passou a ser um ‘flerte real’, o Bahia começou a perder rendimento: apenas duas vitórias conquistadas nas últimas dezoito rodadas. Após passar o campeonato quase inteiro na metade de cima da tabela, sua classificação final acabou sendo a décima primeira posição.


Saldo final

 

Roger Machado

 

Foi bom, mas poderia ter sido melhor. Essa deve ser a sensação de todo torcedor do Tricolor de Aço neste momento. Com um treinador moderno e elenco competitivo, o Bahia poderia ter alçado voos maiores, já que esta edição de Brasileirão classificou oito times à Libertadores. Sabor agridoce, mas há de se valorizar o fato do clube estar, ano após ano, se inserindo cada vez mais na briga por protagonismo.

Fonte: 90min


Talvez você também goste