Futebol

Se contentar apenas com Diego Souza é muito pouco para as ambições do Grêmio

Se contentar apenas com Diego Souza é muito pouco para as ambições do Grêmio - 1

​Volante, meia, atacante, centroavante. Ao longo de sua carreira, Diego Souza atuou em diversas posições. Pois, para a surpresa de muitos, ao ficar livre no mercado após rescindir contrato com o Botafogo, foi anunciado para ser o homem de referência da equipe do Grêmio em 2020. Mas vamos combinar: ainda falta, no plantel tricolor, aquele 9 de encher os olhos.

 

 

Não nego aqui as qualidade do profissional. Se trata de um atleta que, sim, sabe fazer gols por baixo e por cima, tem boa técnica, protege a bola, entende o jogo. Porém, o Tricolor, que há muito busca um artilheiro, precisa do algo a mais, de alguém que realmente possa fazer a diferença na hora decisiva. E este alguém ainda não está na Arena.

 

Renato Portaluppi

 

Diego nunca foi centroavante, e agora vira solução de um ataque que depende demais de Everton, este sim um jogador diferente dos demais. O Grêmio, diga-se a verdade, “foi no que deu”. Não encontrou o centroavante dos seus sonhos e, agora, tenta um paliativo com Diego Souza. Se vai dar certo ou errado eu não sei, mas a chance de sucesso seria bem maior se a aposta fosse em nomes que, ao longo tempo, se notabilizaram por serem “fazedor de gols”.

 

 

Apoiar é preciso, mas não se pode achar que os problemas estão resolvidos. Muito pelo contrário. O Tricolor erra ao, publicamente, dizer que suas necessidades foram atendidas na janela. Não foram. De 2019 para cá, Renato Portaluppi perdeu dois centroavantes (Diego Tardelli e Felipe Vizeu), abriu mão de André (de forma correta, obviamente) e ganhou, como reposição, um jogador que virou camisa 9 ao longo carreira. Fica claro que é impossível se dar por satisfeito.

Fonte: 90min