Brasil

Chuva em Teresina causa inundação e deixa pelo menos três mortos

Equipes do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil continuam trabalhando nesta sexta-feira (5) em regiões de Teresina (PI) fortemente atingidas pela chuva registrada nos últimos dias. Na noite de ontem (4), moradores do bairro Parque Rodoviário, na zona sul da capital, foram surpreendidos por uma inundação provocada pelo rompimento de um muro que represava água em um terreno que fica acima do nível das casas. A tragédia, que atingiu mais de 40 casas, deixou três mortos e dezenas de feridos.

Foto: Reprodução G1

O prefeito de Teresina, Firmino Filho, disse que vai investigar as causas do rompimento. Ele decretou estado de emergência na capital para dar agilidade às ações dos órgãos que estão atuando no atendimento e encaminhamento das famílias, na avaliação de possíveis riscos e no monitoramento de outras áreas. Assistentes sociais e equipes de limpeza também estão no local para prestar toda a assistência às famílias.

“Vamos apurar com muito critério, muita calma, mas também com firmeza para saber as responsabilidades”, afirmou o prefeito durante visita ao bairro na noite de ontem.

De acordo com a prefeitura de Teresina, em abril já foram registrados mais de 200 milímetros de chuva, e a expectativa é de que continuem intensas nos próximos dias. O nível dos rios Poti e Parnaíba subiu acima do esperado, levando a Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) a fazer um alerta à população.

“O Rio Parnaíba vem subindo, com sua bacia recebendo água, e a situação do Poti é alarmante, podendo colocar em risco a população ribeirinha”, disse Firmino.

A Defesa Civil está monitorando a situação de 56 áreas na capital e a situação das famílias que moram em locais com risco de desabamento. Qualquer ocorrência, a população pode entrar em contato com as equipes da Defesa Civil de Teresina, por meio de ligação gratuita para o número 153. Ao ligar, são repassadas instruções sobre procedimentos necessários para a preservação da vida das pessoas e de bens materiais.

Fonte: Agência Brasil


Talvez você também goste