Mundo Notícias

Papa em Moçambique: continuem sendo testemunho de paz e reconciliação

REUTERS/Mike Hutchings/Direitos reservados

Durante cerca de uma hora intensa com a juventude de Moçambique, o papa conseguiu conhecer um pouco da realidade local das diferentes confissões religiosas que se apresentaram, através da arte do canto e de coreografias especiais, demonstrando diferentes temas e motivos de preocupação dos jovens do país. Um hino comum às denominações religiosas também foi interpretado na ocasião que precedeu o discurso do Pontífice.

Em sua mensagem, o papa Francisco disse: “O que pode haver de mais importante para um pastor do que estar com os seus? O que há de mais importante para um pastor do que encontrar-se com os seus jovens? Vocês são importantes! Precisam saber disso, precisam acreditar nisso: vocês são importantes! Porque não são apenas o futuro de Moçambique ou da Igreja e da humanidade; vocês são o presente! Com tudo o que são e fazem, já estão contribuindo para ele com o melhor que hoje podem dar. Sem o entusiasmo de vocês, dos cânticos, da alegria de viver, o que seria desta terra? Vê-los cantar, sorrir, dançar, no meio de todas as dificuldades que vivem – como justamente nos contava você – é o melhor sinal de que vocês, jovens, são a alegria desta terra, a alegria de hoje.”

O papa iniciou o discurso enaltecendo a expressão tão autêntica da alegria que caracteriza o povo de Moçambique. Segundo ele, a “alegria reconcilia e se torna o melhor antídoto capaz de desmentir todos aqueles que querem dividir, fragmentar ou contrapor. Como faz falta, em algumas regiões do mundo, a alegria de viver vocês!”, sublinhou Francisco.

A presença das diferentes confissões religiosas no local, também elogiada pelo Pontífice, demonstrou a união familiar através do “desafio da paz”, da esperança e da reconciliação. Com essa experiência, disse ele, é possível perceber que “todos são necessários”: “com as nossas diferenças, mas necessários”.

E acrescentou: “Vocês, jovens, caminham com dois pés como os adultos, mas, ao contrário dos adultos que os mantêm paralelos, vocês colocam um atrás do outro, pronto a arrancar, a partir. Vocês têm tanta força, são capazes de olhar com tanta esperança! São uma promessa de vida, que traz em si um certo grau de tenacidade, que não devem perder nem deixar que lhe roubem. ”

Esperança

O Papa, então, procurou responder a duas perguntas feitas pelos jovens, em questões interligadas, sobre como realizar os sonhos da juventude e como contribuir para solucionar os problemas que afligem o país. A indicação do pontífice veio do próprio caminho de riqueza cultural apresentado pelos jovens, através da arte, uma expressão “de parte dos sonhos e realidades”, sempre regada de esperança, mas também de ilusões. Além disso, o papa voltou a insistir com os jovens para não deixar que “roubem a sua alegria”, para não deixar de cantar e se expressar conforme as tradições de casa.
O papa Francisco também alertou para ter cautela com “duas atitudes que matam os sonhos e a esperança: a resignação e a ansiedade”. Conforme disse, “[A resignação e a ansiedade] são grandes inimigas da vida, porque normalmente nos impelem por um caminho fácil, mas de derrota; e a porta que pedem para passar é muito cara. Paga-se com a própria felicidade e até com a própria vida. Quantas promessas de felicidade vazias que acabam por mutilar vidas! Certamente conhecem amigos, conhecidos – ou pode mesmo ter acontecido com vocês – que, em momentos difíceis, dolorosos, quando parece que tudo cai em cima de vocês, ficam prostrados na resignação”.

O papa disse aos jovens que eles precisam estar muito atentos, porque essa atitude «faz com que se encaminhem pela estrada errada”. De acordo com o papa Francisco, quando tudo parece estar parado e estagnante, quando os problemas pessoais nos preocupam, as dificuldades sociais não encontram as devidas respostas, “não é bom dar-se por vencido”.

Eusébio

E para dar um exemplo de inspiração em pleno tempo do futebol, o papa recordou o jogador Eusébio da Silva, o “pantera negra”, que começou a carreira no clube de Maputo. O atleta não se resignou diante de graves dificuldades econômicas da família e da morte prematura do pai. O futebol o ajudou a perseverar, disse Francisco, “chegando a marcar 77 gols para o Maxaquene!”

O pontífice então fez a analogia do jogo em equipe para falar da importância de se empenhar pelo país com a tática da união e independentemente daquilo que diferencia as pessoas. E disse: “Como é importante não esquecer que a inimizade social destrói. E uma família se destrói pela inimizade. Um país se destrói pela inimizade. O mundo se destrói pela inimizade. E a inimizade maior é a guerra. E hoje vemos que o mundo está se destruindo pela guerra porque são incapazes de sentar e falar. Sejam capazes de criar a amizade social! Não é fácil, sempre é preciso renunciar a qualquer coisa, é preciso negociar, mas, se o fizermos pensando no bem de todos, podemos fazer a experiência maravilhosa de deixar de lado as diferenças para lutar juntos por um objetivo comum. Quando se consegue encontrar pontos coincidentes no meio de tantas divergências e, com esforço artesanal e por vezes fadigoso, lançar pontes, construir uma paz que seja boa para todos, isso é o milagre da cultura do encontro.”

O papa lembrou, então, o provérbio africano conhecido e citado mundialmente para “sonhar junto”, que diz: “Se quiser chegar depressa, caminha sozinho; se quiser chegar longe, vai acompanhado”. Ele advertiu porém para o risco da ansiedade, que é inimiga dos sonhos da juventude por um país melhor. Os sonhos, alertou o papa, são conquistados com “esperança, paciência e determinação, renunciando às pressas”.

O outro exemplo do esporte citado pelo papa veio do testemunho da atleta Maria Mutola, que aprendeu a perseverar, apesar de perder a medalha de ouro nos três primeiros Jogos Olímpicos que disputou. O tão sonhado título dourado veio na quarta tentativa, quando a atleta dos 800 metros venceu nas Olimpíadas de Sidney. “A ansiedade não a deixou absorta em si mesma”, comentou Francisco.

Idosos

O papa Francisco alertou ainda os jovens para que não esqueçam os idosos, que podem ajudar a realizar sonhos sem que “o primeiro vento da dificuldade” venha a impedir. Escutar as pessoas mais experientes, valorizando as tradições e fazendo a própria síntese, como aconteceu com a música, o ritmo tradicional de Moçambique: da marrabenta nasceu o pandza, com toque moderno.

O comprometimento com o cuidado da Casa Comum (o planeta) também foi lembrado pelo Papa, num país que tamanha beleza natural, mas que também já sofreu com o embate de dois ciclones. O desafio de proteger o meio ambiente é um forma de permanecer unidos para ser “artesãos da mudança tão necessária”.

Amizade 

O papa Francisco procurou encorajar os jovens a encontrar novos caminhos de paz, liberdade, entusiasmo e criatividade, e “com o gosto da solidariedade”, para responder às provações e problemas vividos no país. “Grande é o poder da mão estendida e da amizade”, acrescentou o papa, para que “a solidariedade cresça e se torne na melhor arma para transformar a história”. E Francisco finalizou o discurso lembrando os jovens que não esqueçam o quanto Jesus os ama: “Este amor de Deus é simples, quase silencioso, discreto: não esmaga, nem se impõe; não é um amor estridente nem exibicionista; é um amor feito de liberdade e para a liberdade, amor que cura e eleva. É o amor do Senhor que se entende mais de levantamentos que de quedas, mais de reconciliação que de proibições, mais de dar nova oportunidade que de condenar, mais de futuro que de passado. E concluiu: “Eu sei que vocês acreditam nesse amor que torna possível a reconciliação; porque acreditam nesse amor, tenho a certeza de que vocês têm esperança e que não deixam de percorrer com alegria os caminhos da paz.”

Fonte: Agência Brasil


Talvez você também goste