Mundo Tech

Banco de dados de reconhecimento facial de crianças estava aberto na internet

Banco de dados de reconhecimento facial de crianças estava aberto na internet - 1

Um novo vazamento de dados expôs milhares de crianças chinesas na internet. Segundo informações apuradas pelo The Wall Street Journal, um banco de dados contendo fotos e registros de reconhecimento facial de estudantes de 23 escolas da China foi encontrado aberto na internet, sem que houvesse a menor preocupação com a segurança das informações.

Em resumo, o rosto de milhares de alunos, junto com suas informações pessoais, foi divulgado na rede para qualquer pessoa que buscasse acesso. Metade dos afetados mora em uma região do Tibete, área conhecida por conflitos no país asiático.

Segundo levantamento do periódico norte-americano, o banco de dados fazia parte de um sistema chamado “Safe School Shield”, usado exatamente com o propósito de proteger crianças de invasões nas escolas.


Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/

A falha de segurança foi descoberta por Victor Gevers, pesquisador do grupo sem fins lucrativos GDI Foundation. O time se dedica a vasculhar a internet em busca de vulnerabilidades como esta. Ele descobriu que o banco de dados estava aberto e acessível para quem conseguisse achar seu endereço, sendo possível coletar não só as fotos dos rostos das crianças, bem como os dados ligados a elas. No total, havia 1,3 milhão de dados de alunos no banco de dados.

Gevers entrou em contato com o Alibaba, empresa responsável pelo servidor em que os dados se encontravam, para avisar sobre o problema. Segundo a companhia, a página ficou exposta em mecanismos de busca somente por um período de 10 dias no meio de dezembro. Depois disso, foi devidamente protegida.

Este não é o primeiro caso do tipo que os pesquisadores encontram na China. Em março do ano passado, ele disse que achou dados de 2,5 milhões de pessoas de uma região chamada Xinjiang, na qual há grande concentração de muçulmanos.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech