Mundo Tech

Cães aprendem a “falar” e pedir ajuda a pessoas graças a colete inteligente

Cães aprendem a

Que tal seria se seu cachorro pudesse conversar com alguém e pedir socorro se você estiver em perigo? É isso mesmo: usando coletes, cachorros que trabalham como assistentes estão sendo treinados para pedir ajuda através de mensagens pré-gravadas, em áudio, para seres humanos — sejam eles treinadores ou desconhecidos. O projeto experimental batizado de FIDO foi desenvolvido pelo Instituto de tecnologia Georgia Tech, em Atlanta.

A equipe do FIDO projetou coletes com sensores de movimento e treinou cães para “gesticularem”, movendo a cabeça ou o corpo de determinadas maneiras. Assim, componentes eletrônicos instalados na peça interpretam esses gestos e os transformam em mensagens sonoras, pré-gravadas, repetidas duas vezes. É como um colete falante, só que o cachorro não precisa fazer nada com o focinho, muito menos latir.

Para crianças autistas, por exemplo, o cão pode ser um importante aliado. Caso sintam possíveis alterações ou crises, eles normalmente poderiam usar sua linguagem corporal para tentar acalmá-la. Com o colete falante, o animal poderia perguntar diretamente à criança: “Você poderia me fazer carinho?”, aumentando a efetividade de sua ação.


Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.

Quando treinados, esses cães podem também emitir alertas para pessoas diabéticas, quando detectarem oscilações nos níveis de açúcar no sangue do individuo. A princípio, os protótipos da tecnologia estão sendo desenvolvidos para cães guias, mas no futuro podem fazer parte da rotina de cães do serviço militar ou policial.

Cães aprendem a
Protótipo para cão falante do projeto FIDO (Crédito: Adil Delawala)

Os cães falantes no dia a dia

Imagine então que você está passeando pelo parque, quando ouve alguém dizer: “Meu dono precisa de sua atenção! Por favor, vem comigo!”. Você olha em volta e não vê ninguém, então olha para baixo e só vê um cachorro. Antes de pensar que está maluco, o cachorro se aproxima e com seu focinho puxa algo no colete amarelo. Então, você escuta novamente aquela voz.

Assim, o cão o leva até alguém que precisa de socorros médicos e você ajuda a salvar uma vida. Agora, imagine se o mesmo cachorro só tivesse corrido até você e tentado chamar sua atenção, sem uma voz humana. Muito provavelmente, você não o seguiria e teria no máximo feito um carinho no bicho.

Cães aprendem a
Protótipo para cão falante do projeto FIDO (Foto: Rob Felt)

Dificuldades de criação

Quando o colete estiver pronto para uso no mundo real, todos os componentes eletrônicos serão cobertos, afirma Melody Jackson, diretora do laboratório que desenvolve o FIDO. Muito provavelmente os coletes comerciais também irão incorporar mais de um sensor, permitindo que os cães “digam” outras frases pré-programadas.

No meio do processo, Jackson explica que muitos sensores foram triturados e outros afogados em testes. Às vezes, o sensor de movimentos era acionado por objetos aleatórios que estavam no caminho dos cachorros ou eram danificados quando eles se coçavam, o que resultou em alguns alertas falsos.

Outros sensores desenvolvidos pelo projeto FIDO incluem um em que o cão precisa morder para emitir a voz e outro em que um cão só precisa passar o focinho pela frente, como se acionasse uma torneira automática.

Se a moda pegar após o período de testes, não demora e logo logo estaremos diantes de cachorros “falantes” por aí.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech


Talvez você também goste