Mundo Tech Tecnologia

Estrela é consumida por buraco negro supermassivo; veja vídeo da NASA

Estrela é consumida por buraco negro supermassivo; veja vídeo da NASA - 1

Quando uma estrela se aproxima demais de um buraco negro supermassivo, ela começa a agonizar por causa da intensa gravidade que a atrai com força monstruosa, e acaba sendo dilacerada em um fenômeno conhecido como “evento de ruptura de maré” (TDE, na sigla em inglês). Ela não é apenas engolida, mas parte de seus detritos são arremessados em alta velocidade. Esse é provavelmente um dos eventos cósmicos mais violentos que conhecemos, e provoca um clarão repleto de radiação.

Há um vídeo da NASA em que um artista ilustrou o momento em que um buraco negro supermassivo engole uma estrela. A simulação mostra como detritos da estrela são arremessados para fora, enquanto o resto é consumido pelo buraco negro. “A representação deste artista ilustra descobertas de uma estrela desfiada por um buraco negro”, disse a agência espacial.

“Quando uma estrela vagueia muito perto de um buraco negro, forças intensas dilaceram a estrela”, enquanto detritos estelares são lançados para fora. “Isso causa uma explosão de raios X que pode durar alguns anos”.


Podcast Canaltech: de segunda a sexta-feira, você escuta as principais manchetes e comentários sobre os acontecimentos tecnológicos no Brasil e no mundo. Links aqui: https://canaltech.com.br/360/

O observatório de raios-X Chandra da NASA, o Swift Gamma-ray Burst Explorer e o XMM-Newton da ESA/NASA, coletaram diferentes dados de um evento de ruptura de maré semelhante a este. “O evento ocorreu perto de um buraco negro supermassivo, com massa estimada a alguns milhões de vezes a massa do Sol, no centro da PGC 043234, uma galáxia a cerca de 290 milhões de anos-luz de distância”, disse a NASA.

Durante o fenômeno, filamentos gasosos contendo grande parte da massa da estrela caem em direção ao buraco negro. Eles se fundem, então, em um disco quente, brilhando intensamente em raios-X. “À medida que o disco se forma, sua região central aquece tremendamente, o que leva a um fluxo de material, chamado de vento, para longe do disco”.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech


Talvez você também goste