Mundo Tech

Lei na Califórnia obriga Uber a cobrar corridas de modo semelhante aos taxis

Lei na Califórnia obriga Uber a cobrar corridas de modo semelhante aos taxis - 1

Uma das coisas que mais ajudam os passageiros a calcular os serviços e o quanto vale a pena chamar um app de transporte atualmente é fato do preço final da corrida já estar fixado desde o início do trajeto. Mas isso mudou na Uber, pelo menos na Califórnia. Tudo por causa de uma nova lei, que classifica os condutores como funcionários da empresa.

A nova legislação do Estado norte-americano prevê que, no modelo atual, os motoristas atuem como empregados de companhias de transporte, e não de tecnologia. Assim, Uber, Lyft, DoorDash e Postmates teriam que arcar com pagamentos mais altos e benefícios, como planos de saúde.

Lei na Califórnia obriga Uber a cobrar corridas de modo semelhante aos taxis - 2
Imagem: Divulgação/Uber

E como fica o valor? Então, o Uber confirmou a mudança em email e adiantou que o preço fixo, que antes era exibido em todas as outras localidades, agora será mostrado como uma estimativa. Por exemplo, ao chamar o carro, o painel vai apresentar algo entre US$ 10 e US$ 20. Tudo vai depender da previsão da distância e do tempo gasto, que servirá como uma referência, enquanto o pagamento será cobrado de forma semelhante aos táxis, de acordo com a quilometragem e os minutos.


Baixe nosso aplicativo para iOS e Android e acompanhe em seu smartphone as principais notícias de tecnologia em tempo real.

Mudança não afeta corridas compartilhadas

A alteração se aplica a todos os passeios particulares, enquanto os preços fixos continuarão sendo fornecidos para passeios compartilhados ou em conjunto. Segundo a companhia, essa resolução vem como consequência de uma atualização da estrutura tarifária, com os motoristas ainda sendo pagos por quilômetro e minuto e a empresa recebendo agora uma parcela pré-determinada de 25% — anteriormente, essa taxa era flutuante.

O Uber também destacou que interrompeu alguns de seus benefícios de recompensa para passageiros frequentes. Isso tudo faz parte de uma manobra legal, justamente para que a companhia continue sendo visto juridicamente como uma representante do setor de tecnologia, e não de transporte.

É bom ficar de olho, porque isso abre uma prerrogativa para que a legislação de outras praças também encarem o serviço dessa maneira.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech