Mundo Tech

Netflix testa planos de assinatura com fidelização mais baratos na Índia

Netflix testa planos de assinatura com fidelização mais baratos na Índia - 1

Os usuários da Netflix na Índia poderão ter uma opção mais em conta para a assinatura do serviço, garantindo à empresa uma maior duração de adesão. De acordo com informações do site Android Authority, a plataforma de streaming já começou a testar planos de assinatura pelo período de até 12 meses, com desconto de até 50% na mensalidade.

Atualmente, o valor mensal da assinatura da Netflix na Índia é um dos mais caros e, desde o início do ano, a companhia vem analisando as possibilidades de planos de fidelidade por períodos determinados. A primeira vez que o teste virou notícia foi quando Tanmay Patel, usuário do Twitter, publicou uma captura de tela do plano, no mês passado.

A imagem mostra opções de valores com fidelidade de três a 12 meses, com descontos de 20% a 50% e valores equivalentes entre R$ 111 e R$ 279.


Feedly: assine nosso feed RSS e não perca nenhum conteúdo do Canaltech em seu agregador de notícias favorito.

Em nota à imprensa, a Netflix confirmou que está realizando os testes no país. “Acreditamos que nossos membros podem valorizar a flexibilidade de poder pagar por alguns meses de uma só vez. Como sempre fazemos, isso é um teste e vamos amplificá-lo apenas se as pessoas o acharem útil”, disse a empresa.

A princípio, os testes continuarão acontecendo apenas na Índia, mas se houver o sucesso desejado pela Netflix em relação à quantidade de assinaturas, e também pela adesão do público, há grandes chances de que a novidade chegue a outros mercados, como o brasileiro.

No Brasil, por exemplo, a assinatura mais barata da Netflix começa por R$ 21,90 para o plano normal, R$ 32,90 para imagem em HD e duas telas ao mesmo tempo, e R$ 45,90 para qualidade Ultra HD e quatro telas ao mesmo tempo. Ou seja, o plano com mais qualidade pesa no bolso no fim do ano. Nos Estados Unidos, o valor mais caro não passa de US$ 15,99 mensais.

Trending no Canaltech:

Fonte: Canaltech