Mundo Tech Tecnologia

“Redes sociais se tornaram o 5º poder da política no Brasil”, diz pesquisador

As redes sociais se tornaram uma espécie de “quinto poder” no Brasil. Essa é a conclusão a que chegou Marco Aurélio Ruediger, diretor de Análise de Políticas Públicas na Fundação Getúlio Vargas (FGV). Como doutor em Sociologia e mestre em Gestão e Análise de Políticas Públicas, Ruediger comanda uma equipe formada por pesquisadores de diversas áreas que pesquisam sobre a modernização das estruturas do Estado, e-Democracia e sociedade em rede, além de outros temas-chave para o entendimento da política como imigração, segurança pública e protestos sociais.

Em entrevista à BBC Brasil, Ruediger afirma que a política será cada vez mais suscetível à pressão das novas tecnologias — em especial as redes sociais — como parte de um processo de modernização das esferas que considera como irreversível. Ele ainda cita o caso Ilena Szabó, que recentemente foi nomeada pelo ministro da justiça Sérgio Moro para chefiar o Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária para, horas depois, ter a nomeação anulada pelo mesmo ministro por conta de pressões feitas por grupos nas redes sociais, como um dos vários indícios de que esses mecanismos se tornaram uma espécie de “quinto poder” no país.

Apesar disso, ele não acha que esse poder das redes sociais é necessariamente ruim. O pesquisador acredita que as pressões existentes nesses ambientes podem até mesmo ajudar a aprimorar a democracia, mas é preciso ter discernimento para saber se as agendas defendidas por esses grupos são mesmo de um clamor popular orgânico ou se estão sendo influenciadas por algoritmos (“bots”) que deformam a vontade real da população.

Assim como no caso de Szabó, que teve a nomeação revogada após pressão dos seguidores do presidente Jair Bolsonaro pelo fato ser a favor do desarmamento e de uma mudança na política de drogas, o mesmo tipo de pressão popular feito pelas redes sociais pode ser visto na queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno (PSL), e na eleição do senador David Alcolumbre (DEM) à presidência do Senado. Todos esses fatos foram impulsionados pela ação de influenciadores digitais, que catalisaram ações coletivas virtuais para criar um efeito direto na realidade.

Ruediger ainda vê nas redes sociais uma nova “arma” para os políticos eleitos, que podem averiguar em tempo real o quanto suas decisões são bem aceitas ou não pela população, e voltar atrás nelas — o que causa muitas críticas durante o fato, mas evita o desgaste da imagem a longo prazo.

Fonte: Canaltech


Talvez você também goste