Mundo Tech

Saiba o que fazer para proteger seus equipamentos eletrônicos durante o verão

No auge do verão, janeiro é um dos meses mais quentes do ano e, a cada novo ano, novos recordes de temperatura costumam ser registrados no mês. Mas, além de fazer estressar nossos organismos e provocar desmaios, flutuações de pressão e dores de cabeça, o calor excessivo também traz malefícios para os aparelhos eletrônicos.

Isso acontece porque altas temperaturas diminuem a vida útil dos semicondutores (o material do qual são feitos todos os chips dos aparelhos eletrônicos). E não são apenas os chips que sofrem com o calor, como também a rede elétrica no geral, já que o calor faz com que os materiais dos fios se expanda, aumentando a resistência deles (por isso, às vezes parece que a energia fica mais “fraca”, como quando o ventilador de repente parece que está produzindo um pouco menos de vento mas minutos depois retorna à potência normal).

E não é só a vida útil dos chips que diminui com o calor: baterias também são outros componentes que estragam mais rapidamente com o calor excessivo. Eletrônicos que trabalham em altas temperaturas podem, a qualquer momento, parar de funcionar temporariamente ou até mesmo queimar de vez, e por isso damos aqui algumas dicas do que fazer para evitar que seus aparelhos sofram muito no verão. Seguindo essas dicas simples, seus aparelhos deverão sobreviver sem grandes danos ao verão e estarão funcionando perfeitamente para serem usados durante todo o resto do ano:

Dê espaço para eles “respirarem”

Apesar de ser uma regra a ser aplicada em qualquer estação, no verão é especialmente importante dar espaço para que os eletrônicos “respirem” — principalmente aqueles que esquentam tanto que precisam de ventoinhas para manter a temperatura em níveis normais, como videogames e computadores. Em dias de calor, as ventoinhas internas desses aparelhos trabalham mais do que o normal, por isso é importantíssimo deixar esses aparelhos em ambientes arejados, com pelo menos 10 cm de cada lado sem nada em volta para que o sistema de resfriamento desses aparelhos possa expelir o ar quente para fora e manter a temperatura dos componentes internos em níveis aceitáveis.

Evite a exposição direta ao sol

Eis outro procedimento para ser seguido em todas as estações, mas principalmente durante o verão. Deixar os aparelhos em contato direto com a luz solar pode causar danos irreversíveis à tela, memória, processadores, bateria ou até mesmo derreter o plástico da parte externa dos aparelhos, por isso é sempre necessário deixar esses equipamento em um local com sombra. E, além do sol, a areia também é algo que pode causar grandes danos aos eletrônicos, então evite levar celulares e notebooks à praia — caso o faça, nunca os use direto no sol, e sempre procure a sombra de um guarda-sol ou de um quiosque para utilizá-los.

Seu notebook não gosta de tomar sol, e o reflexo na tela ainda incomoda seus olhos

Não os deixe muito perto uns dos outros

Para aqueles que têm o costume de deixar o celular carregando em cima do computador ou deixar o videogame encostado na TV, uma dica: durante o verão, evite deixar os eletrônicos muito perto uns dos outros. Isso porque, ao deixar diversos aparelhos eletrônicos encostados uns nos outros, ao invés de dissipar, eles acabam criando uma “bolha de calor” que acaba aumentando a temperatura interna de todos, o que pode causar defeitos e até fazer com que alguns equipamentos queimem.

Não esqueça nenhum eletrônico dentro do carro

Se você tem o costume de deixar o rádio dentro do carro depois de estacionar, evite fazer isso durante o verão. Isso porque, quando está estacionado, o veículo funciona como um grande forno (e a parte interna pode até atingir algumas temperaturas bem próximas de um forno de cozinha convencional), então deixar um aparelho eletrônico dentro do veículo fechado é pedir para ele parar de funcionar.

Faça a limpeza regular dos equipamentos

Além do calor, o verão brasileiro é caracterizado pelas chuvas quase diárias em quase todas as regiões do país, então a umidade também pode ser um problema para os aparelhos. Isso porque, quando misturada à poeira interna dos equipamentos, um excesso de umidade pode fazer com que essas moléculas grudem na placa, esquentando ainda mais os componentes e, às vezes, até gerando curtos-circuito. Por isso, é importante levar seus aparelhos eletrônicos regularmente em uma assistência técnica para que seja feita uma limpeza adequada, garantindo o bom funcionamento das peças por mais tempo.

Não use laptops na cama ou em mesas com toalha

Assim como quando se deixa muitos aparelhos grudados uns nos outros, usar eletrônicos em superfícies de tecido também cria “bolhas de calor”, pois o tecido não deixa que o ar quente expelido pelo sistema de resfriamento da máquina se espalhe, condensando tudo no entorno do aparelho e fazendo ele esquentar muito mais do que o normal. Recomenda-se suportes específicos para notebooks, no caso de usá-los em mesas com toalhas ou na cama, para que o aparelho fique mais elevado, sem contato direto com o tecido.

Laptop pertinho de smartphone pertinho de uma xícara de café em cima da cama: receita para o desastre

Não se preocupe com choques térmicos

Uma das principais preocupações das pessoas durante o verão é com o “choque térmico” que os aparelhos podem sofrer ao mudar de ambientes com temperaturas bem distintas — como sair do Uber no sol do meio-dia e entrar no escritório que está com o ar condicionado no talo, por exemplo. Mas isso não é um problema real: a diferença de temperatura nesses casos é relativamente pequena para que os aparelhos sofram qualquer tipo de choque térmico que possa ser problemático. Contudo, esse não é o caso em algumas regiões onde há neve, já que pegar um notebook que estava trabalhando no máximo de sua capacidade editando vídeos, por exemplo (atividade que pode facilmente elevar a temperatura interna para cerca de 80ºC), e rapidamente fechar o aparelho e sair na rua do inverno da Sibéria com uma temperatura média de -25ºC pode, sim, causar choques térmicos que quebram componentes internos da máquina, mas a diferença de temperaturas tem que ser colossal nesse sentido — e é algo que nunca vai acontecer em nenhuma região do Brasil.

Fonte: Canaltech


Talvez você também goste