Ciência & Tecnologia

Uso de aplicativos por americanos cresce 65% em 2 anos

Uma nova pesquisa aponta que os usuários americanos de smartphones em idade adulta usam 65% mais aplicativos por mês quando comparado com os últimos dois anos.

A pesquisa da Nielsen mostra que os usuários estão gastando mais tempo nos celulares do que nunca e que estamos nos transformando, nesta primeira metade da década, em uma sociedade movida pelos apps. O número de horas utilizando os aplicativos também saltou. Ao comparar as 18 horas mensais gastas com as ferramentas em 2011, o ano passado passou a ter 30 horas dos usuários na frente da tela dos celulares por mês.

Os mais jovens, entre 18 e 24 anos, são aqueles que mais gastam tempo usando os utensílios, 37 horas e 6 minutos no período. Outro número que mostrou crescimento foi o de apps usados por mês. Em 2011, as pessoas usavam em média 23 aplicativos por mês. Em 2013, esse dado passou para 27. Esse total cresce na faixa etária de 25 a 44 anos, com o uso de 29 aplicações mensalmente. A Nielsen aponta também que, mesmo entre os mais velhos, o uso de aplicativos é alto. Aqueles com mais de 55 anos gastam pelo menos 21 horas usando as ferramentas dos celulares, com 22 aplicativos em média.

Em nota, Monica Bannan, vice-presidente de liderança de produtos da Nielsen, afirmou que à medida que os hábitos de consumos dos celulares evoluem é imperativo que os desenvolvedores continuem a criar funcionalidade e robustez para seu público. Embora não pareça ter um limite para um número de aplicativos que uma pessoa está acostumada a acessar por mês, eles estão gastando 31% mais tempo que o último ano, provando que é o conteúdo que conta, explica a executiva.

A pesquisa feita com cinco mil pessoas usuárias de iOS e Android nos Estados Unidos também mostrou um crescimento de 71% no uso de aplicativos de entretenimento (jogos, vídeo e áudio) ante 2011, além de um gasto de 11 horas por mês em redes sociais pelo celular e um aumento de 34 minutos por pessoa na utilização de apps ligados à fotografia.


Talvez você também goste