27°C 17°C

São Paulo, SP

25°C 14°C

Curitiba, PR

25°C 20°C

Belo Horizonte, MG

29°C 18°C

Rio de Janeiro, RJ

28°C 16°C

Porto Alegre, RS

30°C 23°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 06 de Julho de 2017 - 09h55

Como melhorar a qualidade de vida de quem tem diabetes?

Redação Mundo Positivo

 

Quem tem diabetes pode levar uma vida saudável e ter qualidade de vida. Depende muito do estilo de vida e da consciência de cada um para que o tratamento seja eficaz. 

 

Tema ainda pouco abordado, a lipohipertrofia é frequente ocorre quando o paciente aplica a insulina sempre no mesmo local do corpo ou utiliza mais de uma vez a agulha para insulina. Ela é caracterizada por uma deformidade do tecido subcutâneo, com a formação de caroços que podem ser visíveis ou apenas palpáveis. Mais do que um problema estético, ela compromete a absorção da insulina pelo organismo, fazendo com que o tratamento se torne ineficaz e cause futuras complicações.

 

De acordo com a Organização Mundial da Saúde, a cada sete segundos uma pessoa morre vítima de complicações causadas pelo diabetes em todo o mundo. Em 2014, foram 4,9 milhões de mortes causadas pela doença (a patologia mata mais que o HIV, Malária e Tuberculose, que juntas chegam a uma média de 3,2 milhões de vítimas fatais). Ainda de acordo com a OMS, são 422 milhões de adultos em todo o planeta com a enfermidade, ou seja, um em cada onze adultos. Dados da International Diabetes Federation mostram que um em cada dois não sabem que a têm. No Brasil, são 14,3 milhões de pessoas com a patologia e metade não foi diagnosticada. Ou seja, não iniciaram o tratamento.

 

"A lipohipertrofia pode ocorrer basicamente por dois erros no tratamento injetável do diabetes: realizar aplicações de insulina sem fazer o rodízio dos locais e reutilizar as agulhas. Estes são erros comuns que podem interferir no bom controle glicêmico", explica Carolina Mauro, Consultora Educacional da BD, empresa de tecnologia médica que oferece soluções que auxiliam no tratamento da doença.

 

Profissionais da saúde de todo o País discutirão as principais tendências e preocupações em relação ao tratamento do diabetes, incluindo a lipohipertrofia na 21ª edição do Congresso Brasileiro Multidisicplinar em Diabetes - ANAD, que ocorre de 28 a 31 de julho.

 

Para ajudar a elucidar os profisisonais de saúde sobre a importância de alertar os pacientes sobre a prevenção e detecção da lipohipertrofia, a BD levará ao Congresso o "Lipo Luis", um boneco de 1,85 cm de altura que fará o papel do paciente para demonstrar como evitar ou identificar a deformidade do tecido subcutâneo. Ele possui lipohipertrofia e poderá ser utilizado para entender como averiguar essa condição nos pacientes. Médicos, enfermeiros e demais profissionais que atuam na área e estiverem pelo evento poderão participar das demonstrações.

publicidade:

publicidade:

publicidade: