Carreira & Educação

Perspectivas e desafios para o crescimento das startups

Uma startup poderá se tornar um negócio de sucesso, mas precisa de planejamento – Fonte: Pixabay

Nos últimos anos, o conceito de “Startup” tornou-se parte essencial da terminologia empresarial, especialmente alinhado ao grande sucesso dos novos modelos de negócios impulsionados pelas tecnologias digitais e pela Internet. De fato, o crescimento das startups pode ser observado em todos os tipos de economia, inclusive as que estão em desenvolvimento, abordando problemas locais, emprego, bem-estar, saúde, sustentabilidade, entre outros, por meio de soluções criativas e ferramentas inovadoras.

No entanto, o caminho para tirar uma ideia genial do papel e transformá-la em uma startup de sucesso pode ser bastante desafiador – vai depender da entrada oportuna no mercado e da habilidade do empreendedor, principalmente em relação à forma de atrair investimentos para aumentar o negócio. Efetivamente, quando se fala em expansão de uma empresa, é preciso gastar mais dinheiro para ganhar mais dinheiro – e para as startups isso é uma questão imediata. Seja por meio de um empréstimo para empresa, por linhas de crédito do Governo, Venture Capital ou através de investidores-anjo, é preciso contar com aporte financeiro para avançar a um próximo nível.

Embora seja necessária uma equipe para criar uma startup, não é incomum que a mídia se fixe em nomes de sucesso como Steve Jobs, Elon Musk ou Mark Zuckerberg, apenas para citar alguns. Mas a história destes empreendedores serve apenas para ilustrar alguns dos unicórnios (no mundo dos negócios, “unicórnio” é a startup com Valuation igual ou acima de um bilhão de dólares) mais valiosos do mundo.

Mas este já é um assunto para outro artigo; neste serão abordados apenas os desafios que provavelmente estes empresários multimilionários também passaram em sua fase inicial, quando seus modelos de negócios ainda eram incertos e pouco definidos.

 

Quais são os problemas mais comuns enfrentados pelas startups?

Concorrência feroz

A afirmação “sobrevivência do mais apto” se encaixa muito bem no universo das startups. Existe hoje no mundo cerca de 150 milhões de startups, com uma média de 50 milhões sendo lançadas a cada ano e aproximadamente 137 mil surgindo todos os dias no planeta. Estes são números gigantescos para qualquer padrão.

No Brasil, entre 2015 e 2019, o número de startups mais do que triplicou, passando de 4.151 para 12.727 (um crescimento de 207%). Se o ano passado foi ótimo para essas empresas inovadoras, este ano elas continuam não tendo problema nenhum em atrair investimentos. Pelo contrário, de acordo com as estatísticas mais recentes, os investimentos em produtos e serviços inovadores devem dobrar em comparação a 2019, mesmo com a pandemia do novo coronavírus.

A Internet é responsável por essas boas notícias, pois não só serve como plataforma para novos negócios, mas também é um meio vital para fazer chegar até clientes e investidores em potencial as novidades sobre inovação. Dadas as recompensas potenciais e imediatas das startups, um número recorde de empreendedores e seus patrocinadores estão dispostos a apostar agressivamente e sentir o calor dessa competição. Assim, o capital de risco está circulando livremente neste meio empresarial.

Mas a principal questão é: Quantas startups sobreviverão às ondas de mudança que já transformaram até a sua própria natureza?

Realmente os desafios estão por toda parte. Os fundadores das startups, como líderes, precisam ser hábeis em se adaptar às demandas do mercado, incorporar os avanços da tecnologia e enfrentar a competição violenta no mundo corporativo. A concorrência sempre representará um dos maiores desafios para a sobrevivência de empresas iniciantes. E no caso dos negócios online, essa competição é ainda mais acirrada.

Investir em estratégias de marketing digital focadas em startups e em vendas é fundamental. Algumas startups pensam que podem ignorar essas duas funções completamente ou ainda acreditar que as vendas crescerão apenas organicamente. Desde a concepção da ideia de uma startup é fundamental desenvolver um plano adequado para promovê-la e garantir sua presença online e engajamento, ou seja, uma combinação de tráfego, atividade e retenção de clientes.

Rápido crescimento das startups significa redimensionar operações

Os fundadores de startups desejam crescer o mais rápido possível porque não pretendem apenas sobreviver, mas prosperar antes que outros empreendimentos semelhantes assumam a liderança. Embora o alto crescimento seja incrivelmente compensador, ele traz desafios para os quais as empresas em estágio inicial geralmente não estão preparadas.

Aumentar a escala de uma empresa recém-criada não envolve apenas unicórnios da cor do arco-íris; é ainda mais difícil do que lançar uma startup em si. Ao planejar uma próxima fase de desenvolvimento, é preciso conhecer muitos conceitos para entender a profundidade do que é “Startup Scaling” e ter certeza de que a empresa está realmente no momento certo para a expandir suas operações.

Cenário promissor para as startups brasileiras

Algumas das características singulares das startups incluem capacidade rápida de prosperar com bases inovadoras, e é por isso que esse modelo de negócio está atraindo a atenção no mundo acadêmico, empresarial e governamental, inclusive no Brasil. Universidades, instituições ligadas ao empreendedorismo, institutos de pesquisa, centros de tecnologia, grandes empresas, entre outros, facilitam pesquisas e funcionam como incubadoras, concedendo incentivos e investimentos para estimular o desenvolvimento de novos negócios.

Entre as grandes ações de incentivo à inovação, vale destacar o recente projeto do Google – Black Founders Fund – iniciativa da gigante americana que beneficia startups fundadas por empreendedores negros. O Brasil é o segundo país, depois dos Estados Unidos, a participar do programa que, a princípio, deve permanecer no território nacional por 18 meses. A empresa de tecnologia vai aportar 5 milhões de reais e espera investir em pelo menos 30 startups brasileiras que estejam captando investimento em estágio ‘seed’. No total, o Google destinará 175 milhões de dólares para negócios de tecnologia que tenham pelo menos uma pessoa negra na gestão.

Já no âmbito Federal, a aprovação da Inova Simples – nova legislação que regulamenta a abertura da Empresa Simples de Inovação – dará oportunidade às startups de mostrar seus projetos de inovação com maior facilidade, principalmente aqueles voltados à saúde, gestão pública e recuperação de empresas, por exemplo. Essa normatização é uma das ações do governo brasileiro para minimizar a crise decorrente da pandemia, pois as empresas poderão iniciar suas atividades mais rapidamente trazendo soluções para as pessoas e para o País, neste momento de extrema urgência.