Cultura

Personagem esquecido conecta os filmes de O Exterminador do Futuro

Muitos fãs não notaram, mas um personagem esquecido conecta a trilogia original de O Exterminador do Futuro. Apesar de Arnold Schwarzenegger estar nos longas, o ator aparece sempre como ciborgues diferentes.

Do elenco principal, nem todos atores e personagens chegam a aparecer. Linda Hamilton, a Sarah Connor, está nos dois primeiros longas, enquanto John Connor é interpretado por atores diferentes.

O que acontece é que Earl Boen, ao lado de Schwarzenegger, é outro ator que está na trilogia. Não apenas isso, o único com um personagem fixo.

Nos três filmes de O Exterminador do Futuro, Boen tem uma participação breve como o Dr. Peter Silberman. Esse arco dele está conectado com a guerra apresentada nos longas.

Personagem esquecido conecta os filmes de O Exterminador do Futuro - 1

Conexão de O Exterminador do Futuro

No primeiro O Exterminador do Futuro, o personagem aparece para auxiliar Kyle Reese. Para muitas pessoas, Kyle parece um maluco falando sobre viagem no tempo e uma guerra contra as máquinas.

Silberman concorda que Kyle esteja maluco. O personagem sai de cena e o exterminador de Schwarzenegger aparece para fazer uma massacre na delegacia.

No segundo filme, o personagem está no hospital que trata Sarah Connor. Novamente, Silberman acha que a mulher está maluca.

Porém, o T-800, que agora é do bem, aparece no hospital, assim como o T-1000. A luta acontece e Sarah Connor até quebra o braço de Silberman, que vê um exterminador derreter.

Mesmo assim, o doutor entra em negação. Até O Exterminador do Futuro 3, Silberman acha que tudo foi invenção da cabeça dele.

Nesse filme, ele aparece como um terapeuta para Kate Brewster. Em mais uma aparição do T-800, ele finalmente aceita que Sarah e Kyle estavam certos e passa a acreditar na guerra.

Desde então, porém, o personagem não foi mais visto.

O filme mais recente da franquia é O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio. O longa, novamente com Schwarzenegger, pode ser conferido em plataformas digitais.

Fonte: Observatório do Cinema