TV, Filmes & Séries

Power Rangers terá universo compartilhado na Netflix

Após o reboot de 2017, que não teve continuação, Power Rangers vai para o streaming. A franquia vai iniciar um universo compartilhado na Netflix, como informa o Deadline.

A Entertainment One, comprada pela Hasbro para produzir conteúdo de TV e cinema, fechou um acordo com a Netflix. Entre as propriedades, a plataforma de streaming vai explorar Power Rangers.

O roteirista Jonathan Entwistle, de The End of the F World, que fez sucesso na plataforma, fica responsável por cuidar da franquia. O presidente da Entertainment One, Michael Lombardo, confirmou para o site o plano.

“Desde que apresentamos Power Rangers para Jonathan, nós imaginamos uma abordagem de um universo completo. Não é apenas uma série, é seguido por filmes e também programas para crianças. Achamos incríveis parceiros de roteiro para ele. Bata na madeira, Netflix está empolgada, nós estamos empolgados. Esperamos ter notícias novas em breve”, afirmou o presidente da produtora.

A abordagem é semelhante a The Witcher. Após a série principal com Henry Cavill, a franquia começou a ganhar derivadas e terá até um programa infantil.

A Netflix, por enquanto, não se pronuncia sobre Power Rangers.

Desenvolvimento acontece há algum tempo

A notícia sobre um novo universo de Power Rangers existe desde 2020. Inicialmente, o The Hollywood Reporter tinha afirmado que esse reboot começaria com um filme.

Com o acordo com a Netflix, parece que a abordagem pode ser alterada. Na mesma época, o próprio roteirista tinha celebrado o reinício de Power Rangers.

“Esta é uma oportunidade inacreditável de entregar novos Power Rangers para gerações novas e existentes de fãs que aguardam e adoram. Vamos trazer o espírito analógico para o futuro, aproveitando a ação e a narrativa que fizeram desta marca um sucesso”, disse Entwistle em 2020.

Agora, como citado, os fãs devem esperar por novidades.

Na Netflix, Power Rangers não tem previsão de estreia. Já o reboot de Power Rangers está disponível no Telecine Play.

Fonte: Observatório do Cinema