Mundo

Carro invade fliperama em Hiroshima no Japão

Parece coisa que só acontece em filmes como Velozes e Furiosos ou qualquer outro de corridas, mas infelizmente não é. Na semana passada, em Hiroshima, um sedan bateu em um fliperama pouco depois das 21h, derrubando uma fileira de bicicletas e quebrando vidros. O centro de jogos ainda estava funcionando e, felizmente, ninguém no carro ou no fliperama ficou ferido.

Na imagem abaixo da FNN, podemos conferir que o carro parou próximo a uma fileira de máquinas de jogo de guindaste. Além do motorista de 20 anos, havia mais quatro passageiros, sendo o mais novo 15. “Houve um estrondo”, disse um dos visitantes do fliperama que estava presente na hora do acidente. “Um barulho muito alto. Vidro espalhado por toda parte.”

Carro invade fliperama em Hiroshima no Japão - 1

Como deu para conferir pela foto no destaque, havia um andaime na frente do fliperama e é uma tremenda sorte que nada de mais grave ou trágico tenha acontecido. De acordo com o site Livedoor, choveu muito forte e as autoridades estão investigando se o motorista estava em alta velocidade e perdeu o controle do carro. A reportagem completa por ser assistida no vídeo abaixo em japonês.

Diferente do que acontece aqui no Brasil, o Japão é um país com tolerância zero para o crime, principalmente com o trânsito. No país do Sol Nascente desde cedo as crianças já passam por aulas sobre o assunto, principalmente com treinamento sobre regras de trânsito. Segundo Mayumi Uemura, diretora de uma escola brasileira no Japão “Muitos brasileiros não sabem que aqui é proibido carregar alguém na garupa da bicicleta”. A lei para ciclistas é de 2015 e pune com multas e prisão quem for pego pedalando alcoolizado. Também proíbe pedalar com fones de ouvido, mexendo no smartphone ou equilibrando um guarda-chuva.

Esse é apenas um exemplo do motivo pelo qual essa notícia acaba se tornando algo de repercussão no Japão. Seria bom se por aqui seguíssemos algumas destas regras.

Via: FNN/Hiroshima/Kotaku/Techbondhu

Siga nossas redes:

Fonte: Observatório de Games